Consumidor de baixa renda ganha isenção na conta de luz durante pandemia do coronavírus

0

Publicada na última quarta-feira (08), a Medida Provisória 950/20 isenta os consumidores beneficiários da Tarifa Social de Energia Elétrica (TSEE) do pagamento da conta de luz. Essa isenção, no entanto, é válida somente de 1º de abril a 30 de junho de 2020. Além disso, o benefício será limitado ao consumo mensal de até 220 quilowatt-hora (kWh/mês). Portanto, quem consumir acima desse nível não receberá nenhum desconto.

É provável que você também goste:

Banco PAN ampliou prazo de pagamento no cartão de crédito e corta taxas de juros.

Mesmo em meio a pandemia, Banco Inter e São Paulo Futebol Clube anunciam renovação de parceria.

Campanha por suspensão de contas de Aluguel, Água, Luz, Gás, IPTU e outras se aproxima de 300 mil assinaturas

Consumidor de baixa renda ganha isenção na conta de luz

A isenção na conta de luz será bancada pelo governo. O repasse às distribuidoras de energia elétrica será feito pela Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que receberá um aporte de R$ 900 milhões, via Ministério de Minas e Energia. A CDE é um fundo que financia diversos programas do setor elétrico.

Criada em 2002, a TSEE corresponde a descontos de 10% a 65% na conta luz concedidos aos primeiros 220 kWh consumidos mensalmente por clientes residenciais de baixa renda cadastrados pelas distribuidoras. O subsídio é custeado pela CDE, que paga diretamente as distribuidoras.

Recurso para distribuidoras

Além disso, a medida provisória determina ainda que os consumidores regulados (como os residenciais) deverão pagar, por meio de acréscimos na conta de luz, empréstimos bancários feito pelas distribuidoras para aliviar o caixa afetado pela queda de consumo decorrente da pandemia.

Trata-se de reedição da conta-ACR, criada em 2014, a partir de recursos arrecadados das contas de luz, para cobrir empréstimos feitos pelas distribuidoras afetadas pela crise hidrológica. Detalhes sobre a operação de crédito deverão ser regulamentados por decreto.

O Ministério de Minas e Energia afirma que a medida garantirá um alívio financeiro às distribuidoras, “diante da diminuição repentina do mercado”. Dessa forma, as distribuidoras continuarão honrando seus compromissos com os demais agentes setoriais, “preservando a sustentabilidade do setor elétrico”.

Tramitação

Devido à situação de calamidade pública, a MP 950 seguirá o rito sumário de tramitação das medidas provisórias definido pelo Congresso Nacional. De acordo com o rito sumário de tramitação, as medidas provisórias tendem a ser aprovadas em poucos dias.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Pushish Images, via Shutterstock.

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar