O Governo Federal anunciou nesta segunda-feira (06) que começará a pagar o Coronavoucher a partir de amanhã. Entretanto, os primeiros beneficiários serão aqueles que estão inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) do Governo, incluindo os beneficiários do Bolsa Família. Entretanto, como receber o auxílio emergencial de R$ 600 a R$ 1200 sem Cadastro Único? Confira nessa matéria também o tutorial de como se inscrever no Cadastro Único.

É provável que você também goste:

Bancos podem usar o auxílio emergencial de R$ 600 para descontar suas DÍVIDAS?

Será possível receber coronavoucher no Nubank, Banco Inter e outras contas digitais

Aplicativos do Bradesco e Caixa fora do ar na véspera de pagamento do coronavoucher

Regras do coronavoucher: quem tem direito ao auxílio emergencial?

Antes de mais nada, é necessário conferir se você tem direito ao benefício. Primeiramente, estão aptos a receber o coronavoucher as pessoas com renda mensal per capita de até R$ 522,00 (o que representa meio salário mínimo por pessoa), ou ainda aqueles que fazem parte de famílias com renda total de até R$ 3.135,00.

Além disso, os beneficiários não podem receber outros benefícios, como aposentadoria, benefício INSS, Beneficio de Prestação Continuada (BPC) ou seguro-desemprego. Os beneficiários do Bolsa Família também estão aptos a receber o coronavoucher, mas ele deverá substituir o Bolsa Família. Assim, a família deixa de ganhar o Bolsa Família e passa a receber o coronavoucher no valor de R$ 600 ou R$ 1200, dependendo do caso.

Poderá receber o coronavoucher duplicado (R$ 1.200,00) as mães que criam seus filhos sozinhas e são trabalhadoras informais, MEI ou desempregadas. Além disso, beneficiários do programa Bolsa Família cuja família tiver dois ou mais integrantes desempregados, MEI ou trabalhadores informais, também podem receber o benefício duplicado durante 3 meses.

Poderão ser beneficiados aqueles que estão desempregados, trabalhadores informais e microempreendedores individuais (MEI) que não estão conseguindo trabalhar devido às regras do isolamento social e estejam em dia com as contribuições do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Outro detalhe é que os beneficiários não podem ter ultrapassado o limite de imposto de renda nos anos anteriores, ou seja, o rendimento anual do beneficiário não pode ter sido maior do que R$ 28.559,70. Além disso, é preciso ter mais de 18 anos de idade e não ter um emprego formal ativo.

Como saber se estou inscrito no Cadastro Único?

Se você está em dúvidas sobre se está cadastrado ou não no CadÚnico para receber o coronavoucher, basta fazer uma consulta simples nos canais de atendimento. Para isso, você deve ter em mãos os seus dados pessoais, bem como dos integrantes da sua família.

Você pode baixar o aplicativo Meu CadÚnico para Android (Google Play Store) ou iPhone e iPad (App Store). Após instalar o aplicativo, insira seu nome completo, data de nascimento, nome da mãe e estado.

Além disso, você pode também conferir no site do CadÚnico se você está inscrito. Assim como no app, informe seu nome completo, data de nascimento, nome da mãe e endereço.

Por último, quem não tem acesso à internet ou prefere fazer um telefonema, pode ligar para o número 0800 707 2003 e escolher a opção 5. O atendimento funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h, e das 10h e 16h aos finais de semana e feriados.

meu cadunico

Como se inscrever no Cadastro Único para receber o auxílio emergencial?

Caso você tenha feito a pesquisa como mostramos acima e não esteja inscrito no CadÚnico, saiba que o prazo para inscrição do Cadastro Único era até o dia 20 de março. Entretanto, o Governo Federal vai lançar nesta terça-feira, 7, um aplicativo para que os trabalhadores se inscrevam e se candidatem ao coronavoucher (Renda Básica Emergencial). O próprio aplicativo vai fazer a análise e concluir se o cidadão tem ou não direito ao benefício.

Enfim, gostou da notícia?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: rafastockbr via shutterstock