A Credicard quer ouvir os seus clientes para lançar um cartão de crédito que atenda aos seus anseios. Esse será o primeiro produto desenvolvido na nova plataforma tecnológica do grupo Itaú que demorou cerca de dois anos para ser concluída. Denominado de Credicard Beta, o cartão vai ser lançado com algumas características do seu antecessor, o Credicard Zero, que também não cobra anuidade e tem a tecnologia de pagamento por aproximação (NFC).

É provável que você também goste:

Receita libera consulta ao primeiro lote de restituição do Imposto de Renda

Depois de Guedes, secretário sugere que Auxílio Emergencial reduza ao valor do Bolsa Família, por mais meses

Itaú contrata durante pandemia em home office e tem mais de 400 vagas abertas

Credicard Beta: mais um cartão sem anuidade do Itaú que vem para concorrer com o Nubank

De acordo com Rubens Fogli, diretor do Itaú Unibanco, em apenas cinco minutos o cliente pode ser aprovado e receber a versão virtual do cartão.

As sugestões e reclamações podem ser feitas na comunidade Beta que fica dentro do aplicativo do cartão, que até então estava em fase de testes e será aberto a clientes em junho.

É através da Comunidade Beta que saem ideias como ter dois cartões em um – um para compras recorrentes online, como aplicativos de entrega e de transporte, e um para compra únicas pela internet que expiram em 24 horas.

“Outra sugestão que recebemos foi de embarcar o cartão em carteiras digitais de modo a permitir fazer compras em pontos físicos. É uma mudança de paradigma: pode ser que algumas pessoas prefiram nem receber o cartão de plástico”, diz.

O cartão físico não possui números inscritos nem na frente nem no verso. Isso faz com que o usuário tenha que usar os cartões virtuais na internet. “Isso deve reduzir o número de fraudes”, é o que afirma o executivo.

A princípio, a expectativa é que o produto tenha maior aceitação entre os jovens, que costumam se identificar mais com a proposta de cocriação. Mas não apenas. “É um fórum aberto, não tem tema tabu.” Nem mesmo sobre cobrança de juros? Fogli diz que não, que o Itaú está aberto para conversar sobre esse e demais assuntos. “Não podemos nos fechar para essas discussões, não é a mesma cabeça do passado”, acrescenta.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Fonte: Exame

Imagem: Credicard/divulgação