Há muitas razões para se solicitar um empréstimo pessoal e uma das mais comuns é o pagamento de dívidas. Em tempos de tantas dificuldades financeiras por causa da pandemia de COVID-19, muito mais pessoas estão fazendo dívidas até involuntariamente em decorrência dos atrasos de pagamentos e perdas de emprego. É em momentos assim que muita gente se pergunta se vale a pena pedir empréstimo pessoal para pagar dívidas.

É provável que você também goste:

Saiba quem foram os brasileiros excluídos “por engano” do Auxílio Emergencial

Caixa libera pausa estendida por 120 dias na habitação a partir de hoje (18)

Itaú contrata durante pandemia em home office e tem mais de 400 vagas abertas

Vale a pena pedir empréstimo pessoal para pagar dívidas durante a crise?

Para alguns, essa é uma escolha perigosa, mas outros se beneficiam com esse tipo de empréstimo. Para saber se o empréstimo pessoal com essa finalidade vale a pena, é preciso avaliar pontos como:

  • Possibilidade de negociação da dívida;
  • Juros do empréstimo;
  • As parcelas do empréstimo

Possibilidade de negociação tem de ser considerada pelo devedor

negociação

Muitas pessoas ficam desesperadas quando estão com dívidas e apelam logo para um empréstimo pessoal para tentar solucionar a situação. Contudo, elas podem conseguir descontos muito bons se entrarem em contato com o credor para negociar.

Em períodos especialmente difíceis a nível mundial, como uma pandemia, as possibilidades de negociações ficam ainda maiores. Por isso, antes de apelar para um empréstimo pessoal, é necessário averiguar essa possibilidade.

Para tentar negociar as dívidas, um dos melhores jeitos é ir ao site da credora ou ligar para conhecer as possibilidades de parcelamentos.

Juros do empréstimo

Todo empréstimo pessoal possui juros e o consumidor precisa questionar a financeira sobre a porcentagem exata. Além disso, também é preciso se informar sobre a porcentagem de juros da dívida atual: se ela for maior que a do empréstimo, então este vale a pena.

Por exemplo: se alguém tem uma dívida com juros de 2,5% ao mês e o empréstimo pessoal oferecido pela financeira é de 2% ao mês, então vale a pena pedi-lo.

No entanto, quando a situação é inversa, deve-se evitar o empréstimo pessoal ou procurar outra financeira ou banco.

Parcelas do empréstimo

parcelas

Quando se fala da parcela do empréstimo pessoal, a questão não é exatamente o número, mas o valor: é importante que o valor mensal esteja de acordo com o orçamento do indivíduo. Além disso, quem pensa em fazer um empréstimo pessoal para pagar uma dívida parcelada, essa análise se torna ainda mais importante.

Suponha-se que alguém tem parcelas de R$ 300,00 para pagar referente a uma dívida; só vai valer a pena fazer um empréstimo pessoal para saldar tudo de uma vez se a parcela do empréstimo for inferior a R$ 300,00.

É indispensável fazer esse tipo de conta porque diversas pessoas se envolvem em dívidas ainda maiores por causa do empréstimo pessoal, não conseguindo solucionar o problema primário.

Vale a pena pedir um empréstimo pessoal para pagar dívida?

Para resumir, o empréstimo pessoal é uma solução que ajuda muito quando bem planejado e quando ele oferece vantagens sobre a dívida já existente. Sendo assim, se os juros são baixos, as parcelas são baixas e não há possibilidade de negociação da dívida com o credor, então esse empréstimo pode ser considerado uma opção viável.

Porém, o fato de o empréstimo ser justificável não significa que não se deva tomar determinados cuidados na hora de contratá-lo na financeira ou no banco escolhido.

Simulação é fundamental

Pedir qualquer tipo de empréstimo pessoal sem uma simulação pode ter péssimos resultados, incluindo uma dívida que seja ainda maior que a primeira. Usando o simulador, o cliente descobre quais são as possibilidades de valores de empréstimo, quais são os possíveis juros e em quantas parcelas pode-se dividir tudo.

Aliás, é justamente com a simulação que se consegue notar se os juros e as parcelas do empréstimo pessoal oferecem vantagem sobre a dívida anteriormente adquirida.

A simulação, inclusive, é disponibilizada de graça para todos os clientes em potencial e, se existirem dúvidas sobre juros ou valores, os atendentes virtuais da financeira ou banco podem dar mais explicações.

Ser realista com relação às parcelas

 

Muitas pessoas tentam fazer com que a parcela do empréstimo pessoal se ajuste ao seu orçamento, mas isso não dá certo a longo prazo. Por isso, a linha de crédito deve ser vista como opção somente se o seu valor de fato não vai comprometer severamente o pagamento de outras contas.

Afinal, a ideia é justamente eliminar a maior parte das dívidas e, com um empréstimo de parcelas excessivamente altas, o que se faz é trocar uma dívida pela outra.

Ter total certeza das condições do empréstimo pessoal

As financeiras e bancos deixam claro em seus sites todas as condições do empréstimo pessoal, além de haver telefones para esclarecimentos. Por isso, só se deve investir em um empréstimo pessoal quando se tem todas as informações a respeito da linha de crédito.

Outro cuidado é se precaver tirando print de todos os detalhes informados no site da financeira ou banco a respeito do empréstimo para futuras averiguações.
Anotou tudo?

Antes de finalizar, se você está buscando uma empresa confiável, acabou de encontrar. Clique abaixo a fale sua simulação:

>> Faça sua simulação aqui << (botão)

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: fizkes (destaque), Elle Aon e Syda Productions via shutterstock