Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Idosa de 97 anos se nega a deixar imóvel no RS e diz: ‘saio quando morrer’

Veja a história inspiradora da idosa de 97 anos, que mesmo em meio a enchente de Porto Alegre, se negou a sair de casa.

Almira Schultz, uma idosa de 97 anos que vive às margens do Guaíba, enfrentou a enchente que assolou Porto Alegre sem se render. Durante a crise, ela se recusou a deixar seu apartamento.

Nem as adversidades naturais, nem a falta de serviços básicos conseguiram abalar o espírito dessa moradora resiliente. Conheça mais sobre essa história!

Idosa vive há quase meio século à beira do Guaíba

Imagem de uma idosa de pé
Imagem: Reprodução/Herculano Barreto Filho/UOL

Mesmo com interrupções no fornecimento de luz e água, Dona Almira, que mora há quase 5 décadas no apartamento, manteve seu ânimo inabalável. Com a casa iluminada por velas e notícias acompanhadas por um rádio a pilhas, ela demonstrou uma adaptabilidade impressionante.

“Quando acabava a água, eu passava um perfume”, conta ela, com um sorriso, destacando seu espirito positivo perante cenários adversos.

Desafios logísticos em uma rotina de adversidades

A falta de recursos básicos tornou as tarefas diárias ainda mais desafiadoras, especialmente para Janice, filha de Almira, que enfrentava diariamente o desafio de subir e descer seis andares carregando mantimentos.

“Foi uma dificuldade, mas passou”, relata Janice sobre os dias críticos durante o período da enchente. Ela tentou convencer a mãe a sair, mas sem sucesso.

A idosa tem memórias da enchente de 1941

Almira recorda-se da enchente de 1941, a mais grave até então em Porto Alegre, observada por seus olhos de menina de 14 anos.

Naquela época, vivia em uma fazenda em São Jerônimo, no interior do Rio Grande do Sul, onde a natureza se mostrou igualmente implacável.

Um olhar otimista para o futuro pós-enchente

Com a água baixando e a vida retomando seu curso, Dona Almira escolhe olhar com otimismo para o futuro. “Só sinto felicidade e alegria vendo o sol brilhar novamente”, expressa ela, mostrando uma perspectiva positiva mesmo com os resquícios do mau cheiro que ainda se fazem presentes.

Veja também:

Programa Desenrola Brasil recebe nova extensão no prazo para adesão

A história de Almira Schultz é um testemunho de força, repleta de lições sobre como manter a serenidade e a resiliência mesmo nos momentos mais desafiadores.

Imagem: Reprodução/Herculano Barreto Filho/UOL