Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Leftbank: fintech ‘da esquerda’ une investimento e ideologia

A fintech Leftbank existe desde dezembro de 2020. Ela possui diversos serviços bancários para pessoas físicas e empresas.

0

Um projeto de negócios novo, busca unir ideologia e investimentos: essa é a ideia do banco esquerdista Leftbank. Essa fintech, surgiu para atender simpatizantes da esquerda. Além disso, conta com uma operadora de celular à disposição dos seus clientes.

É provável que você goste também

Após fechamento de 5 mil caixas, saque com Pix vira alternativa

Como a alta da taxa Selic interfere no dinheiro guardado em fintechs?

Bancos e fintechs: saiba como funcionam

Leftbank: fintech ‘da esquerda’ une investimento e ideologia

A fintech Leftbank existe desde dezembro de 2020. Ela possui diversos serviços bancários para pessoas físicas e empresas. Além disso, disponibiliza pagamentos de boletos, transferências, envio de dinheiro por SMS, e cartão sem anuidade. A empresa possui quase 2 mil correntistas. Paralelo a isso, o Leftfone é uma operadora que oferece serviços de telefonia digital. Ela está ativa no país desde o dia 27 de abril.

De acordo com Marco Maia (PT-RS), ex-presidente da Câmara , diretor-geral do Leftbank, “a ideia não é fazer discriminação, mas aproximar grupos de interesse que se inter-relacionam em bolhas: é como se esses consumidores fossem comprar uma marca de roupa com a qual se identificam”.

Embora tenha objetivo de mirar o público da esquerda, bem como temas como meio ambiente e questões sociais, as empresas visam o lucro. Como é o exemplo da Leftfone, que não exige fidelização, e não cobra multas em caso de rescisão de contrato.  Além disso, ela aceita consumidores que tenham pendências de crédito, promete atendimento rápido no call center e preços acessíveis.

Iniciativa parece ser boa, mas há limitações

Para Humberto Dantas, cientista político e pesquisador da FGV-SP, a iniciativa pode ser boa, apesar de ter a limitação de público e ir contra tendências de inclusão. Dantas afirma que “Politicamente, é um marcador de mercado interessante”.

Já o cientista político Leandro Cosentino, professor do Insper, fala que esse movimento quer criar a “polarização afetiva, em vez de raivosa”. Dessa forma, Cosentino cita que “a tendência é reforçar laços com iguais”.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Assim, é só seguir o Seu Crédito Digital no YouTubeFacebookTwitterInstagram Twitch. Contudo, você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos etc. Siga a gente para saber mais!

imagem: facebook.com/leftbankbrasil

- Publicidade -

Comentários
Carregando...