Segundo uma pesquisa da empresa de recuperação de crédito Recovery, 56% dos 60 milhões de brasileiros negativados no SPC e Serasa têm dívida há mais de sete anos. O valor da dívida, em média, é de R$ 3.116,00.

É provável que você também goste:

Conheça os cartões de crédito que me aprovaram com o score baixo

Ursinhos do Nubank esgotam em duas horas, empresa vai começar a cobrar por TED?

Funcionário de carteira assinada pode pedir empréstimo sem consulta ao SPC e Serasa do Banco Inter

A maioria dos brasileiros negativados no SPC e Serasa mora nas regiões Nordeste e Sudeste, estando a região Nordeste com o maior número de caso de dívidas em atraso. A maior parte dos devedores também tem idade entre 25 e 45 anos. Além disso, 30% das pessoas negativadas têm mais de uma dívida em atraso.

Causas da inadimplência

Muitas dos brasileiros negativados no SPC e Serasa devem por causa de empréstimos ou por causa do cheque especial. A taxa de inadimplência dos empréstimos para pessoa física, exceto consignado, está em 7,5%. Já no cheque especial, esse percentual é de 16,1%. Não é por acaso que essa modalidade tem os juros mais altos do país, que serão limitados a partir de 2020.

As contas de água e luz também estão na liderança da inadimplência. Elas têm juros menores nos casos de atraso, por isso acabam ficando de lado quando as famílias têm que escolher quais contas pagar no mês.

Essa grande taxa de inadimplência no país está ligada ao desemprego. No Brasil, temos 12,5 milhões de pessoas sem emprego, ou seja, sem uma renda formal; por isso o pagamento de dívidas acaba ficando por conta de outras formas de renda.

Muitos dos saques recentes do FGTS, por exemplo, foram destinados à quitação de dívidas por muitos trabalhadores. Em outubro de 2019, mais de 36 milhões de pessoas já haviam usado o recurso do saque imediato. A Caixa estima que tenha liberado R$ 15 bilhões na primeira fase.

“Com o desemprego elevado e o achatamento da renda, a capacidade de pagamento das famílias ainda não voltou a pleno vapor. A expectativa é de que a inadimplência comece a recuar a partir de 2020”, disse em entrevista o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

Iniciativas para os brasileiros limparem o nome

Além do saque do fundo de garantia, existem os Feirões Limpa Nome. Em apenas duas semanas, o feirão do Serasa alcançou 1 milhão de negociações de dívidas. Quem compareceu pôde aproveitar descontos de até 98% do valor da dívida.

O feirão do Serasa existe em duas modalidades: presencial ou online. O presencial ocorreu em São Paulo, no mês de novembro, enquanto que o online foi prorrogado até o dia 15 de dezembro. Para participar, basta conferir as dívidas no sistema do Serasa, fazer o acordo online e gerar o boleto. É possível fazer um acordo em menos de 3 minutos, segundo o site do Serasa.

Os feirões de pagamentos de dívidas são uma boa opção para quem recebeu o décimo terceiro ou o FGTS e quer estar livre novamente para pedir empréstimos, financiamentos e cartões de crédito sem precisar pagar todo o montante da dívida.

Cuidado com fraudes

No entanto, é preciso ter muito cuidado com as fraudes nessa época de negociações online. O único site em que é possível participar do Feirão do Serasa é o www.feiraolimpanome.com.br. Antes de gerar qualquer boleto, verifique se o endereço do site que você está usando é esse que citamos.

Também fique atento aos canais de comunicação. Esse tipo de negociação não é feito via WhatsApp ou SMS. Se receber alguma mensagem de WhatsApp de alguém que se diz do feirão, verifique se há o selo azul do lado do nome. Em caso de dúvida, procure o Serasa e relate o ocorrido, para evitar que outras pessoas possam cair em golpes como esse.

Para identificar se o boleto que você recebeu para o acordo é verdadeiro ou não, existem algumas dicas. Primeiramente, confira o código de barras. Os três primeiros números devem ser o código do banco para o qual você está pagando. Cada banco tem um código e a lista pode ser conferida aqui.

Além disso, é importante procurar por erros de português, que são muito comuns em boletos falsos. Outra coisa que deve ser feita é a verificação do CNPJ. Coloque o número do CNPJ no Google para se certificar de que é realmente da instituição financeira.

As dívidas caducam após 5 anos?

Uma dívida caduca é aquela que tem mais de cinco anos. Existe a crença de que após esse período ela deixa de existir, mas isso não é verdade. As dívidas após cinco anos apenas deixam de estar visíveis em birôs de crédito, como o Serasa. Isto é, uma dívida, após passados cinco anos, não é mais acessível para outras empresas, somente naquela que ficou a pendência do pagamento.

Em outras palavras, se você fez um financiamento em um banco e ficou com uma dívida por mais de cinco anos, ela só é visível para aquele banco. No entanto, isso será um impeditivo para você conseguir crédito na instituição, mesmo já passados cinco anos.

Enfim, gostou da matéria?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.