Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Ministro revela quantas parcelas poderá ter o consignado do Auxílio Brasil

Os bancos vão estipular o número de parcelas que será pago do empréstimo consignado do Auxílio Brasil. Saiba mais.

0

Tempo estimado de leitura: 3 minutos

Na última quarta-feira (3), o presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou a lei que permite a contratação de empréstimo consignado por beneficiários do Auxílio Brasil e o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Dessa forma, com a nova lei, os beneficiários dos programas podem autorizar a União a descontar dos repasses mensais das parcelas referentes ao pagamento do consignado.

Em seu perfil no Instagram, o ministro da Cidadania, Ronaldo Vieira Bento, ao responder uma pergunta afirmou que “Quem vai estipular esse prazo é o banco”.

‌“A taxa de juros, a carência, o prazo para a liquidação e a quantidade de parcelas serão estipulados pela instituição financeira e não pelo Ministério da Cidadania”, afirmou também.

Empréstimo Consignado do Auxílio Brasil

Em síntese, os beneficiários do Auxílio Brasil que a partir desse mês receberão R$600,00, poderão ter até R$240,00 descontados do benefício todo mês para o pagamento das parcelas – 40% de R$600,00. 

Contudo, é preciso se planejar, já que a partir de janeiro, o valor do Auxílio Brasil voltará a ser de R$400,00. Assim, após o desconto, as famílias receberão somente R$160,00.

De acordo com o texto da lei, as empresas terão que entregar aos beneficiários um demonstrativo com o valor contratado, percentual das taxas de juros cobradas e o valor final a ser pago.

Especialistas criticam o empréstimo

Entidades de defesa do consumidor e especialistas em finanças afirmam que o empréstimo consignado pode levar essas famílias beneficiárias do programa social ao superendividamento, colocando-as novamente em situação de vulnerabilidade.

As taxas de juros devem ficar praticamente no mesmo nível do crédito pessoal sem desconto em folha, que atualmente é de 87% ao ano. 

Ademais, ainda que o cidadão deixe de receber o benefício, por não atender mais aos critérios do governo, deverá continuar pagando o empréstimo consignado.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então nos siga no canal no YouTube e em nossas redes sociais, como o Facebook, Twitter, Instagram e Twitch. Assim, você acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos, fintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

Imagem: rafapress / Shutterstock.com

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar

Fechar