Nem tudo é perfeito. Confira 5 defeitos do Pix, do Banco Central

0

O Pix está chegando para revolucionar as nossas vidas. Se você já economizava ao não pagar por DOC ou TED porque já usava uma conta digital como a do Nubank ou Banco Inter, pouca coisa vai mudar no aspecto econômico para você. Entretanto, se você ainda depende dos bancões, certamente vai se livrar de gastar uma boa grana com isso. A partir de 16 de novembro, o Pix, o novo meio de pagamentos criado pelo Banco Central do Brasil, vai eliminar o DOC e TED e será gratuito para pessoas físicas e MEIs, mas ainda será pego pelas empresas, mesmo sendo mais barato. Contudo, mesmo parecendo ser perfeito, o Pix tem alguns defeitos que podem impactar as nossas vidas. Confira.

É provável que você também goste:

Santander Free: Como solicitar o cartão de crédito sem anuidade pela internet?

Pedir aumento de limite no cartão de crédito com muita frequência reduz o score de crédito?

Veja como nomear suas metas financeiras pode te ajudar a economizar mais

5 defeitos do Pix

Instituições financeiras vão perder dinheiro

Com o Pix, os bancos, as bandeiras de cartões e empresas de maquininhas vão perder dinheiro e algumas empresas podem simplesmente desaparecer, gerando desemprego. Cada vez que você utiliza uma maquininha no comércio, você paga algumas taxas que deixarão de existir, depois da adoção em massa do Pix.

Os bancos, por exemplo, vão perder dinheiro, pois deixará de existir a taxa de intercâmbio “interchange”, que é cobrada a cada nova transação. Outras taxas que vão deixar de existir é a taxa das bandeiras – Visa, Mastercard e Elo, por exemplo, e a taxa do fabricante da maquininha.

Certamente, isso vai impactar negativamente em algumas empresas e pode resultar em demissões e fechamento de empresas que viviam disso.

O Pix vai concorrer com algumas fintechs

Algumas fintechs têm trabalhado há alguns anos criando mecanismos próprios para os meios de pagamento, como o PicPay e o RecargaPay, por exemplo. Estas empresas terão que se reinventar, criando novas práticas inovadoras, e que possam agregar valor aos seus serviços.

Mesmo assim, é possível que algumas fintechs sejam severamente impactadas com a implementação do Pix aqui no Brasil. Mais uma vez, causando fechamento de empresas e demissões de trabalhadores.

Vulnerabilidade a fraudes

Com o Pix, não será mais necessário ter dados completos do destinatário de uma transação financeira (como agência e conta). Para enviar dinheiro, basta informar uma de suas chaves Pix, que podem ser um nome, um CPF, um endereço de email ou um identificador aleatório gerado especificamente para aquele momento.

Entretanto, de acordo com alguns especialistas, o Pix é vulnerável a fraudes. Um exemplo disso, é a provável utilização de QR Code falsos alojados em websites falsos que poderão surgir. Muito provavelmente, as potenciais vítimas serão pessoas leigas no uso da tecnologia.

O governo vai saber tudo sobre você

Se você é um daqueles que não gosta de informar o seu CPF a cada nova compra para não revelar ao governo, isso agora acabou. Tudo que você comprar vai ficar atrelado ao seu CPF, e o governo vai ter muito mais informações sobre os cidadãos.

Entretanto, essas preocupações podem ser consideradas “totalmente infundadas” do ponto de vista legal. Isso porque o Pix não vai adicionar camadas de acesso a dados financeiros além daquelas que o Banco Central do Brasil (BC) já dispõe. As operações eletrônicas, como DOCs, TEDs e transações por cartões sempre geraram informações para o BC e isso não vai mudar.

Todavia, a divulgação dessas informações para terceiros, mesmo para outros órgãos do governo como a Receita Federal, não era e continua não sendo permitida, conforme o que determina a lei complementar 105/2001, conhecida como a Lei do Sigilo Bancário.

Possibilidade de Sequestros relâmpagos

Por fim, uma outra preocupação que tem deixado os brasileiros preocupados é sobre a possibilidade de sequestros relâmpagos. Se você em um lugar perigoso, pode ter que se preocupar com isso.

De acordo com o delegado Marco Antônio Paula Santos, titular da 4ª Seccional da Polícia Civil de São Paulo: “como o sequestro-relâmpago tem a característica de ser rápido, é preciso ser discreto”.

Com o novo sistema de transferências, basta um aparelho celular para que a vítima envie o dinheiro para os criminosos e, em poucos segundos, o valor já está disponível na conta do sequestrador.

Considerações finais

Mesmo com tudo isso, o Pix possui mais aspectos positivos do que negativos, pois vai permitir a transferência de dinheiro 24h do dia e em todos os dias da semana, sem custos. Ele vai melhor para os lojistas, que deixarão de pagar as taxas cobradas nas maquininhas, e vai facilitar a vida dos usuários, que não precisarão mais esperar o final de semana passar para transferir um dinheiro.

E você, o que acha do Pix? Deixe seu comentário logo abaixo.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube e em nossas redes sociais, como o Facebook, Twitter e Instagram. Assim você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos etc.

Fonte: The Hack, R7, Tecmundo

Imagem: rafapress/shutterstock.com

Comentários
Carregando...