Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Muitos pagamentos de empregados que tiveram salário reduzido estão atrasados

0

Assim como o Auxílio Emergencial, existem diversas medidas que estão sendo tomadas pelo governo para diminuir os impactos da crise durante a pandemia. Uma dessas medidas foi a redução da jornada de trabalho. Com isso, empresas poderiam reduzir um percentual do salário de seus empregados, ou até mesmo fazer a suspensão do contrato de trabalho. O objetivo dessa medida é evitar demissões em massa. Assim, o governo se comprometeu a realizar o pagamento do BEm, benefício que compensa ao empregado parte dessa redução salarial.

Nesse caso, se o salário for reduzido em 25%, por exemplo, o governo pagaria um benefício emergencial também de 25% ao funcionário. O valor de pagamento do BEm varia entre R$ 261,25 e R$ 1.813,03, sendo calculado com base no seguro-desemprego a que o trabalhador teria direito caso fosse demitido. Entretanto, muitos trabalhadores que têm direito ao benefício estão relatando um atraso no pagamento das parcelas.

É provável que você também goste:

Projeto de lei pretende pagar meio salário mínimo para BPC, Bolsa Família e Cadastro Único

Seguro 24 horas com proteção por perda total chega ao Brasil

Mercado Livre vai abrir milhares de vagas de emprego no Brasil

Pagamento do BEm é adiado para alguns beneficiários

Desde maio, milhares de brasileiros estão relatando atraso no pagamento do BEm, o benefício emergencial que deveria ser pago pelo governo para quem sofreu redução de salário ou suspensão total do contrato. De fato, os relatos mostram que alguns pagamentos já foram adiados até quatro vezes desde maio.

De acordo com o que foi estipulado pela medida, o primeiro pagamento do BEm deve ser realizado 30 dias após a empresa fechar acordo com o governo. Porém, não é o que vem acontecendo. Em alguns casos, o pagamento do BEm tem sido adiado, muito por conta de falhas no sistema.

Além disso, o pagamento para os intermitentes (empregados sem jornada ou salário fixo) também está em atraso. No caso desses trabalhadores, a segunda parcela deveria ter sido paga na última segunda-feira (1°), o que não aconteceu. Segundo a Dataprev, responsável pelo processamento dos dados, o problema será resolvido ainda esta semana.

Suspeita é de erro no cruzamento de dados

A respeito do atraso no pagamento do BEm, diversas empresas já relataram a situação. Em muitas delas, o pagamento, que esta previsto para maio, já foi prorrogado três ou quatro vezes. Uma das situações que vêm ocorrendo são as diversas notificações de que os empregados dessas empresas não possuem vínculo ou possuem vínculo divergente nos registros.

Entretanto, muitas empresas garantem que, mesmo com os registros realizados corretamente, ainda existem atrasos. A suspeita é de que o problema possa estar na divergência de informações em bases de dados diferentes. Ou seja, o atraso seria devido a um erro no cruzamento de dados. De acordo com a portaria que detalha o pagamento do BEm, as parcelas são calculadas a partir do salário de contribuição declarado no Cnis (Cadastro Nacional de Informações Sociais).

Conforme a Dataprev, o sistema Empregador Web, que oferece a chance de apresentar um recurso para essas notificações, com prazo de dez dias para resposta, está passando por atualizações e melhorias, na tentativa de resolver o problema. Assim, a intenção é agilizar o processo de análise e de concessão do benefício. No entanto, o Ministério da Economia ainda não se manifestou oficialmente sobre o problema.

Intermitentes seguem com pagamento do BEm em atraso

Por fim, segundo o calendário divulgado pelo Ministério da Economia, os depósitos da segunda parcela do benefício para trabalhadores intermitentes ainda não foram feitos. O valor deveria ter sido depositado em poupança digital, no aplicativo Caixa Tem, na última segunda-feira. Conforme a Dataprev, o atraso se deve a um problema no envio de informações ao banco, “em virtude da necessidade de reprocessamento dos dados”.

Além disso, a Dataprev afirmou que está trabalhando para liberar o processamento desse grupo, que no momento é de 158 mil pessoas. Segundo a empresa, o pagamento será realizado ainda nesta semana. Já a Caixa afirmou que atua apenas como agente pagador, ou seja, não teria controle sobre o atraso nos pagamentos nesse caso.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem destacada: rafastockbr / Shutterstock.com

Comentários
Carregando...