Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Pix cobrando taxas? Veja como não pagar!

Saiba mais sobre as taxas cobradas para contas pessoas jurídica (PJ)

0

O Banco Central lançou o Pix em 2020, para ser seu novo sistema de pagamentos. Com isso, o sistema funciona de forma 100% gratuita para pessoas físicas desde então. Porém, quando se trata de clientes pessoas físicas, nem sempre esse é o caso. Apesar de o Banco Central não proibir que contas empresariais tenham esse tipo de isenção, após um período gratuito, Itaú, Banco do Brasil, Bradesco e Santander passaram a cobrar pelas as transações instantâneas. Enquanto isso, a Caixa e outras fintechs continuam isentando a tarifa. Então, para saber mais não pagar, confira mais a seguir.

Pix cobrando taxas em contas Pessoa Jurídica? Veja como não pagar

Dessa forma, como explicamos, as transferências do Pix passaram a funcionar em novembro de 2020. Depois disso, o método de pagamento ficou cada vez mais presente no dia a dia do brasileiro por permitir envio instantâneo de dinheiro a qualquer hora, mesmo em finais de semana e feriados. No entanto, os bancos já começaram a cobrar pelo uso nas contas de pessoa jurídica.

No caso de algumas instituições, as empresas podem ter que pagar pelo Pix tanto pelas transações efetuadas quanto pelas recebidas. A tarifa pode ultrapassar a faixa de R$ 150 por evento, e é importante considerar a cobrança na hora de aceitar esse tipo de pagamento. Na lista das maiores taxas de bancos tradicionais, o Santander cobra taxa de 1% do valor da transação, com tarifa mínima de R$ 0,50 e máxima de R$ 10.

Já o Itaú cobra 1,45% do valor pago com tarifa mínima de R$ 1,75, e máxima de R$ 9,60. Transações via QR Code também possuem taxas, em ambos os casos. No Bradesco, a taxa é de 1,4% do valor da transação, com tarifa mínima de R$ 1,65 e máxima de R$ 9. Já o Banco do Brasil cobra 0,99% do valor da transação, com tarifa mínima de R$ 1 e máxima de R$ 10.

Por fim, até o momento, a Caixa Econômica Federal não possui taxa para uso do Pix em contas PJ. Vale dizer, entretanto, que uma resolução do Banco Central proíbe que haja tarifação do Pix para contas de empresários individuais (EI) e microempreendedores individuais (MEI). Ou seja, nesse caso, as transações eletrônicas instantâneas não geram custo para quem tem esse tipo de CNPJ em nenhum banco.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então nos siga no canal do YouTube e em nossas redes sociais, como o FacebookTwitterTwitch e Instagram. Assim, você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de créditoempréstimosfintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar

Fechar