Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Projeto de Lei concede seguro-desemprego em casos de emergência ou calamidade pública

0

O Projeto de Lei 5669/2019 concede seguro-desemprego a seringueiros, extrativistas e produtores rurais em casos de reconhecida emergência ou calamidade pública. O benefício, no entanto, será limitado a cinco parcelas anuais. O texto, que altera a lei que criou o Programa do Seguro-Desemprego, ainda está em análise na Câmara dos Deputados.

É provável que você também goste:

MOVA lança conceito de crédito consignado para empresas via ‘peer-to-peer lending’

Correios: depois de Amazon e Alibaba, UPS estaria interessada na compra da estatal

Governo libera Seguro-desemprego atrasado após falha impedir pagamento

Segundo a proposta, o benefício será concedido ao trabalhador rural que esteja filiado e que tenha contribuído para a Previdência Social. Além disso, ele não pode estar recebendo outro benefício previdenciário ou assistencial de natureza continuada; tampouco possui outra fonte de renda decorrente da atividade produtiva que desempenha.

Para receber o benefício do seguro-desemprego, os produtores precisarão apresentar requerimento ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Conforme o deputado Carlos Veras (PT – PE), autor do projeto, “os trabalhadores rurais, sejam assalariados, parceiros, arrendatários, meeiros ou pequenos produtores, são os mais vulneráveis às situações de emergência ou de calamidade, como a seca, pois são os primeiros que têm os contratos e acordos rescindidos, além de perderem toda ou a maior parte de sua produção”.

Tramitação do PL do seguro-desemprego em casos de emergência

A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada pelas comissões de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Uma proposta tramita em caráter conclusivo quando ela precisa ser aprovada somente pelas comissões que a analisaram, sendo desnecessária a votação em plenário. No entanto, caso não haja concordância entre as comissões ou um número mínimo de 52 deputados solicita apreciação, aí sim a proposta precisa passar por votação no Plenário.

Enfim, gostou da matéria?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.

Fonte: Agência Câmara Notícias.

Imagem: Tacio Philip Sansonovski, via Shutterstock.

Comentários
Carregando...