Presidente do BB está convencido que o banco deveria ser privatizado

Durante palestra na Fundação Getúlio Vargas que ocorreu hoje (15), o presidente do BB, Rubem Novaes, afirmou que “está convencido” de que a empresa deveria ser privatizada.

Leia também:

Mais um diferencial do Nubank: transferência em dia não-útil.

Reforma da Previdência: aposentados das estatais poderão ser demitidos sem a multa dos 40%

Presidente do BB está convencido que o banco deveria ser privatizado

O presidente do BB afirmou que não está em cogitação a venda de nenhuma das grandes estatais do Brasil, como o próprio Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e Petrobrás. Contudo, ele reforçou que o país deveria seguir “batendo nesta tecla”, pois essas companhias estariam melhor na mão no setor privado.

Confira algumas das suas falas:

“Estou convencido que o Banco do Brasil deveria ser privatizado”, disse. “No Banco do Brasil, me sinto de mão atadas. É como se tivesse bolas chumbo nas pernas para competir com os bancos privados.”

“Está havendo um apoio crescentes das pessoas que pensam com mais responsabilidade sobre a economia do país. E agora a gente vai precisar muito desse apoio para avançar também na área de privatização, sobretudo do setor bancário”, afirmou.

“O governo, ao longo da história, atrapalhou mais do que ajudou o Banco do Brasil. Minha conclusão é que se o BB fosse privado, ele seria muito mais eficiente, teria melhor retorno e poderia alcançar todos os objetivos que hoje alcança.”

Caixa Econômica Federal

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães afirmou que a Caixa deu início à venda dos ativos. Ademais, ele ainda disse que o banco deverá fazer a abertura de capitais dos segmentos de loterias, cartões e assets.

“Até junho a gente pretende vender todas as participações não estratégias e a partir de setembro fazer quatro operações no mercado de capitais por determinação do ministro”. O objetivo dessas operações é pagar a dívida do banco, que é o equivalente a R$ 385 bilhões.

BNDES

O presidente do BNDES Joaquim Levy enfatizou sobre a necessidade de cessão de empresas públicas ao setor privado. Ele considera que o estado brasileiro se tornou muito grande, deixando a economia interna disfuncional.

“Se a gente não tomar medidas para corrigir a gente vai entrando numa espiral em que cada vez mais a classe produtora tem que trabalhar mais para financiar o estado”, disse Levy.

Ele destacou que o BNDES está trabalhando com vários estados na privatização, sobretudo, do setor de energia. Entretanto, há muito mais a ser feito.

“Há vários setores que podem dar um pouco de dinamismo à economia.

Quanto ao BNDES, Levy evidenciou o foco na reestruturação de sua atuação. Ele citou um antigo comercial de um banco privado que dizia ser “um banco que nem parece banco”.

“O que nós queremos hoje é tornar o BNDES um banco que até parece banco”.

Gostou da notícia?

Então nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Acompanhe nossos artigos sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao mundo das fintechs.

Sobre o autor Ver Posts Author website

EDUARDO MENDES

Sou um entusiasta da tecnologia, que também aprecia inovação, empreendedorismo, além de Fintechs e as suas facilidades.
Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e fundador dos sites Optclean Tecnologia, Conexão Estudante e Seu Crédito Digital.

Comentários no Facebook