Presidente do maior banco provado do País diz que as fintechs incomodam e responde se está criando um Nubank melhorado. O presidente do Itaú Unibanco, Candido Bracher, disse estar vivendo um momento fascinante. Isso porque está comandando o maior banco privado do País, no momento em que o setor vive a sua maior mudança estrutural, trazido pelas transformações em que a tecnologia vem causando. “Você não escolhe a hora de estar nos negócios”, diz ele. “A hora te escolhe.”

fintechs incomodam

É provável que você também goste:

Cartões de crédito da Caixa agora são aceitos pelo Samsung Pay.

Nubank ultrapassa Itaú em buscas por cartão de crédito no Google.

Existe alguma maneira de ser aprovado no Nubank com score abaixo de 300 pontos?

Entretanto, Bracher, diz não saber qual será o banco do futuro. Para ele, inclusive, sempre existirá mercado financeiro e intermediários. Em suma, é preciso preparar o banco para ser adaptável.

Contudo, o desafio não é pequeno porque as empresas de todas as áreas tentam ocupar o espaço dos bancos, ao mesmo tempo em que os clientes ainda demandam por estruturas tradicionais.

Presidente do Itaú afirma que as fintechs incomodam e responde se está criando um Nubank melhorado

Em uma entrevista ao Estadão, o presidente do banco disse que é evidente que as fintechs incomodam. Mas ele também afirmou ter um imenso respeito por essas novas empresas e que está longe de descartá-las. Além disso, o presidente do banco disse que as fintechs são importantes, incomodam e fazem coisas diferentes.

O executivo, no entanto, criticou e disse que não causa admiração o fato de cobrar tarifa zero. “Conquistar clientes com preço baixo não requer prática nem habilidade. Não é viável para o Itaú. Queremos conquistar clientes para oferecer produtos de qualidade, experiência diferenciada e economia de tempo.”, disse Bracher.

Itaú estaria criando um Nubank melhorado?

Bracher , ainda, respondeu se o Itaú estaria criando um “Nubank melhorado”. Ele respondeu que o Itaú tenta fazer tudo melhorado, mas diz que não tem “bala de prata”. Ademais, o executivo disse que esse negócio requer persistência. Não vai ter um produto que vai resolver.

Enfim, gostou da notícia?

Então, nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará artigos sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e tudo relacionado ao assunto de fintechs.

Fonte: Estadão.