O Pride Bank é o primeiro banco digital LGBTI+ e foi lançado recentemente, em 13/11/2019, sendo seu grande diferencial o fato de que parte de seus lucros é destinada ao Instituto Pride, que destina esses recursos para instituições que atuam em prol da comunidade LGBTI+. O banco surgiu a partir da visão de dois amigos: Maria Fuentes e Alexandre Simões. A ideia foi apresentada à Digital Banks e, assim, nasceu o banco digital com propósito social em sua essência.

É provável que você também goste:

Banco do Brasil é condenado por suicídio de funcionária trans

Mastercard vai permitir uso de nome social para transgêneros nos cartões

UzziPay: conheça a fintech que quer ajudar a Amazônia

Segundo a instituição, “os serviços devem atender às pessoas e não o contrário. E, acima de tudo, devemos usar produtos que nos entendam. Em um contexto onde a igualdade de gênero e respeito à comunidade LGBTI+ são esforços diários, criamos um banco digital que entenda os desafios e necessidades e que apoie a comunidade em todas as suas esferas: desde serviços financeiros até apoio a causas e eventos.”

De modo geral, segundo o CEO Marcio Orlandi Júnior, a ideia de Pride Bank é não discriminar pessoas por sua orientação sexual, identidade de gênero ou qualquer outra diferença, estando aberto, inclusive, para simpatizantes da causa LGBT+.

Serviços oferecidos pelo Pride Bank

Por enquanto, a instituição está em versão beta e seus serviços estão disponíveis apenas para clientes convidados. No entanto, futuramente esse público deverá ser ampliado e quem tiver interesse já pode solicitar a abertura de sua conta.

A seguir, listamos os serviços digitais oferecidos pelo Pride Bank: conta digital (para pessoa física ou jurídica), transferências, pagamentos (serviços e impostos), depósito em conta, boletos (pagamento e emissão), além de recarga e compra de créditos para usar em diversos serviços. Em breve, a empresa pretende lançar também cartão de crédito pré-pago internacional e maquininha (POS).

Em relação aos serviços de recarga disponíveis, as empresas parceiras do Pride Bank, até o momento, são as seguintes: Vivo, Tim, Oi, Oi TV, Claro, Claro TV, Uber, Google Play, Sky, Correios celular, Nextel, Spotify, Xbox, League of Legends, Blizzard, Level Up! e Steam.

Tarifas do Pride Bank

Diferentemente do Nubank, a Pride Bank cobra tarifas de manutenção de conta. Para pessoa física, por exemplo, o valor é de R$ 4,99 mensais, enquanto que, para pessoa jurídica, o valor mensal é de R$ 19,99.
O Pride Bank possui 4 pacotes diferentes para pessoa física e jurídica, com preços e vantagens diferentes. A lista completa das tarifas e pacotes do Pride Bank encontra-se nesse link. Confira!

Valores do Pride Bank

Os principais valores da instituição são: o respeito, a empatia, a tecnologia a serviço e a inovação e diversão.
No que se refere à tecnologia, o Pride Bank usa ferramentas desenvolvidas em blockchain tanto no banco como no Instituto e na Welight, de modo a garantir transparência e rastreabilidade dos recursos destinados às causas sociais.

Já em relação ao respeito, o Pride Bank trata todos os seus correntistas como eles merecem e querem ser tratados, respeitamos nomes sociais, pronomes pelos quais desejam ser chamados. Nenhum cliente é discriminado e TODOS são bem vindos a abrirem sua conta.

Na visão da empresa, a empatia consiste em se colocar no lugar das pessoas para entender – e ter insights – sobre como podemos evoluir.

Por fim, Inovação e Diversão significam que o Pride Bank busca ser criativo para inovar, trazendo produtos e serviços relevantes para a comunidade LGBTI+, porém sem perder a leveza.

Instituições beneficiadas pelo Instituto Pride

Até o momento, as instituições apoiadas pelo Instituto Pride são as três listadas abaixo. No entanto, o Pride Bank é uma empresa inclusiva e está aberto a receber de seus clientes sugestões de outras instituições que merecem ser beneficiadas.

  • Casa Arouchianos: instituição localizada na região do Largo do Arouche, em São Paulo, com o propósito de garantir a visibilidade e promover a cultura, arte, esporte, política e questões sociais da comunidade LGBTQIAPD+ na região.
  • Casa Brenda Lee: instituição situada em São Paulo que abriga pessoas com HIV, sejam travestis ou não, que foram abandonadas pela família. Seu objetivo é garantir ao público o direito à saúde e à reintegração na comunidade.
  • Eternamente Sou: também localizada em São Paulo, a ONG desenvolve serviços e projetos voltados ao atendimento psicossocial a pessoas idosas LGBT.

Enfim, gostou da matéria?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.