Fazer muitas dívidas no cartão de crédito, decorrentes de compras parceladas, é uma realidade comum para muitos brasileiros. Esse comportamento, porém, muitas vezes leva a um descontrole que vira uma bola de neve. O resultado geralmente é o não pagamento da dívida do cartão e o nome sujo no SPC.

É provável que você também goste:

Percentual de famílias endividadas em dezembro foi de 65,6%. Confira dicas para sair do vermelho!

Banco Inter fecha 2019 com mais de 4 milhões de clientes e ameaça grandes bancos.

Emprestar cartão de crédito vale a pena? Veja os pontos positivos e negativos.

Por causa de situações como essa, o cartão de crédito é visto por muitos como um vilão da vida financeira. Parcelar uma compra acaba sendo sinônimo de juros e endividamento, mas isso nem sempre é verdade. Há casos em que parcelar uma compra pode ser uma boa saída. A seguir, confira quais são esses três casos.

1- A compra pode ser feita sem juros

Na maioria dos casos, quando você decide parcelar uma compra, você acaba pagando juros pelo parcelamento. Ou seja, o valor da parcela não é exatamente o valor do produto dividido pelo número de meses em que você vai pagar, pois são acrescidos juros. Isso ocorre porque, quando você parcela uma compra, está pegando um dinheiro emprestado, então você paga juros por ele, de acordo com o tempo que irá demorar para quitar.

A grande questão nesse caso é identificar se a compra é realmente sem juros. Pode ser que a loja diga que não há cobrança a mais ao parcelar, mas se houver um desconto para quem compra à vista, aquele valor é o preço real do produto. Em outras palavras, se o valor parcelado é maior que o à vista, a compra então acarreta juros na parcela.

2- Você já tem o valor da compra

O maior problema de pagar parcelado, além dos juros, é você comprometer mais do que pode pagar. Pode ser que você tenha dinheiro para pagar as primeiras parcelas, mas a situação dificulta se o seu cenário financeiro é instável e você não tem uma reserva de emergência para essas situações.

Se por acaso você já tem o valor da compra guardado e pode pagar à vista, aí pode ser que comprar parcelado, sem juros, seja uma vantagem. Você mantém esse dinheiro guardado por mais tempo e ainda ganha milhas ou pontos no seu cartão de crédito com a compra. A dica aqui é verificar se realmente não há juros, como falamos anteriormente, e ter um cartão que lhe dê vantagens a cada compra.

3- O valor da compra está investido

Ainda melhor do que ter o dinheiro da compra guardado ao parcelar é ter ele bem investido. Isso significa colocar o seu dinheiro em uma aplicação que renda mais do que a parcela, que seja segura e que você possa tirar em um prazo curto, quando precisar pagar as parcelas de sua compra.

O Tesouro Direto é uma boa opção, desde que seja o Tesouro Selic, afinal os outros possuem um prazo de resgate mais longo. O Tesouro Direto Selic rende conforme a taxa Selic, ou seja, a rentabilidade não é tão alta, mas é maior do que a poupança e é seguro, afinal esse título pertence ao governo. Para investir no Tesouro é preciso ter conta em uma corretora de valores ou fazer isso pelo seu próprio banco.

Na maioria dos casos não é cobrada nenhuma taxa para esse tipo de investimento. Só fique atento ao valor que precisará pagar de Imposto de Renda ao fazer o resgate. Normalmente, quanto mais tempo você mantém seu investimento, menos IR você paga. O imposto só incide sobre o valor que você ganhou, não sobre o que você aportou.

Também existem as contas digitais, como Nubank e PicPay, que rendem de acordo com o CDI. Esse rendimento ocorre todos os dias e você pode resgatar o seu dinheiro a qualquer hora, transferindo o valor para seu banco tradicional se precisar sacar. Esse tipo de investimento é menos seguro que o Tesouro Direto, mas muitas vezes é mais prático. É possível depositar nessas contas digitais por transferência ou por boleto.

Resolveu pagar à vista?

Se a sua escolha foi tirar o dinheiro de onde estava guardado e fazer a sua aquisição pagando em uma vez só, é importante repor essa quantia para a sua reserva. Além de ser um fundo para emergências, esse valor pode contribuir para a realização de um sonho ou para adiantar a sua aposentadoria.

A cada mês, crie uma parcela para você mesmo e invista em um local que achar mais apropriado, de acordo com o seu perfil de investidor e o prazo em que deseja resgatar. Ao criar contas para você mesmo, você começa a investir com mais frequência e faz os juros compostos lhe ajudarem a atingir suas metas mais rápido.

Simulador da Parmais pode te ajudar

Está em dúvida se você deve tirar o dinheiro de onde está investido e pagar à vista ou se é melhor pagar parcelado? O site Parmais desenvolveu um simulador que leva em consideração onde está investido seu dinheiro e as condições da sua compra. Clique nesse link e confira.

Enfim, gostou da matéria?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.

Imagem: Freepic.diller, via Freepik.