Quebra de acordo: dívida renegociada e não paga, vai pro SPC e Serasa?

Quando o consumidor tem o nome sujo no SPC ou Serasa, ele tem duas opções. É possível pagar o valor da dívida integralmente ou fazer uma renegociação da dívida, em várias parcelas. Neste caso, o devedor entre em um acordo com o credor e se compromete a fazer um acordo de liquidação da dívida. Entretanto, o que acontece se ocorrer uma quebra de acordo, e não pagar por uma dívida renegociada? Tire as suas dúvidas aqui neste artigo.

É provável que você também goste:

Cuidado: Brasil é campeão em phishing, com roubo de dados de cartão de crédito

PagBank: PagSeguro lança banco digital com empréstimo rápido e cartão sem anuidade.

Dívidas no SPC e Serasa podem ser cobradas após a prescrição legal?

Quebra de acordo: dívida renegociada e não paga, vai pro SPC e Serasa?

Com a atualização dos valores, é criada uma nova dívida, com prazos estabelecidos para o pagamento. Portanto, quando o devedor realiza uma renegociação de dívida, logo no pagamento da primeira parcela deve ser feita a exclusão do CPF da base de dados de inadimplentes do SPC, Serasa ou Boa Vista.

Contudo, é exatamente neste aspecto que surgem dúvidas entre os devedores. Ou seja, ao pagar a primeira parcela de uma dívida renegociada, não isenta o devedor quanto ao pagamento da dívida inteira.

Portanto, ao renegociar uma dívida, você estará formando um novo contrato, com uma nova obrigação de pagamento. Todavia, ao deixar de pagar as parcelas do acordo, fica caracterizada a quebra de acordo.

Sim, dívida renegociada e não paga pode ir para o SPC e Serasa

Quando o devedor deixa de pagar uma única parcela da nova dívida, o credor poderá incluir o CPF no SPC e Serasa, poucos dias após o vencimento.

Além disso, o devedor perderá as vantagens da negociação, como prazo de pagamento, abatimentos e descontos de multas e juros do valor principal. E ainda, na maioria das vezes, passa a valer o contrato original para o restante do montante em atraso.

Considerações finais

Antes de tomar a decisão de renegociar uma dívida, o consumidor deve se assegurar que o novo parcelamento é viável. Portanto, é preciso reorganizar a vida financeira, antes de decidir. Prefira sempre economizar e pagar o máximo possível, sem comprometer a renda com objetivos inatingíveis. E lembre-se: pelo menos o primeiro passo foi acertado, agora é tentar limpar o nome e nunca mais entrar em desequilíbrio financeiro.

Enfim, gostou da notícia?

Então, siga Seu Crédito Digital no Google News. Receba em primeira mão notícias sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao assunto de fintechs.

Sobre o autor Ver Posts Author website

EDUARDO MENDES

Sou um entusiasta da tecnologia, que também aprecia inovação, empreendedorismo, além de Fintechs e as suas facilidades.
Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e fundador dos sites Optclean Tecnologia, Conexão Estudante e Seu Crédito Digital.

Comentários no Facebook