Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Ricos lideram saques da Poupança e migram para LCI, LCA e CDB

Saiba por que os ricos estão liderando saques da Poupança e migrando para investimentos em LCI, LCA e CDB. Entenda as vantagens!

Em 2022, o cenário econômico brasileiro foi marcado por uma expressiva retração na popularidade da caderneta de poupança. Esta tradicional forma de investimento, conhecida por sua segurança e simplicidade, teve um recorde negativo que chama atenção para as mudanças nos hábitos de investimento dos brasileiros.

Os dados do Banco Central indicam que, durante o ano de 2022, a poupança sofreu uma retirada líquida de R$ 103,23 bilhões, valor que quase duplica o anterior recorde de R$ 53,56 bilhões em 2015. Este fenômeno foi impulsionado por um ambiente de juros elevados e inflação persistente. Que comprimiram a renda nacional e motivaram investidores a buscar alternativas mais rentáveis.

Quem liderou os saques e para onde foi o dinheiro?

Segundo o estudo realizado, os saques foram predominantemente realizados por investidores de maior renda econômica. Dessa maneira, este grupo, que representa 16% dos investidores analisados, redirecionou cerca de R$ 116 bilhões para outros ativos financeiros. O que corresponde a 52% do total retirado da poupança.

Porquinho de poupança usando óculos ao lado de uma calculadora. poupança
Imagem: Andrey_Popov / shutterstock.com

Estes montantes foram principalmente alocados em Certificados de Depósito Bancário (CDBs), Recebíveis de Certificados de Depósito Bancário (RDBs), Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) e Letras de Crédito do Agronegócio (LCAs).

Existem alternativas mais lucrativas que a poupança?

A migração significativa de recursos da poupança para outras opções de investimento destaca uma tendência de diversificação na carteira dos investidores brasileiros. Alternativas como CDBs e LCIs oferecem melhor rentabilidade em um cenário de juros altos. Mas também mantêm a segurança que é característica do investimento em poupança, através do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

  • CDBs: Oferecem flexibilidade de prazos e taxas, geralmente superiores às da poupança.
  • LCIs e LCAs: São isentas de imposto de renda para pessoas físicas, o que melhora a sua eficiência tributária.
  • Fundos de Investimento: Permitem diversificação e gestão profissional do capital investido.
  • Ações: Opção para quem busca rentabilidade superior e pode tolerar maior risco.

Ailton de Aquino Santos, diretor de fiscalização do Banco Central, sugere que a tendência de transição dos investimentos em poupança para outras modalidades mais rentáveis deve se intensificar com a maior adoção do sistema de Open Finance, facilitando ainda mais o acesso a produtos financeiros variados.

Qual o futuro da caderneta de poupança?

Embora a caderneta de poupança ainda represente uma parte relevante das economias do brasileiro médio, a tendência é que sua popularidade continue a diminuir à medida que novas gerações de investidores busquem ativos que maximizem seus retornos com segurança similar.

Outrossim, os bancos e instituições financeiras, respondendo a essa mudança, possivelmente continuarão a desenvolver e promover produtos que alinhem rentabilidade com segurança. Competindo assim diretamente com a tradicional poupança.

Veja também:

Alckmin anuncia nova opção na renda fixa: a criação da Letra de Crédito do Desenvolvimento

Em suma, o ano de 2022 destacou-se como um ponto de inflexão para a caderneta de poupança no Brasil. Com a economia pressionada por fatores adversos, os investidores se movimentaram em direção a alternativas que oferecem melhor rentabilidade. Configurando um novo desafio para o mercado financeiro nacional no que diz respeito à captação e manutenção de investimentos pessoais.

Imagem: Andrey_Popov / shutterstock.com