No início de novembro, foi anunciado que o Santander comprou a fintech Ebury, especializada em câmbio. No negócio, o banco pagou 350 milhões de libras esterlinas (o que equivale a cerca de 400 milhões de euros) para controlar metade da empresa britânica. O Santander afirma que o investimento tem como objetivo reforçar a oferta a pequenas e médias empresas.

É provável que você também goste:

Assim como Bradesco, Itaú vai fechar centenas de agências ainda em 2019

Santander compra fintech Ebury: o que isso significa para fintechs como Nubank

Santander compra fintech Ebury, confira um trecho do comunicado:

“O investimento, que faz parte da estratégia digital do Santander para acelerar o crescimento através de novos empreendimentos, irá reforçar os seus serviços de comércio global e continuará consolidando a posição do Santander como banco preferencial para PME que já têm ou aspiram a ter relações comerciais a nível internacionalmente nos seus mercados na Europa e nas Américas, bem como posteriormente na Ásia”.

Do total desse investimento, 70 milhões de libras (ou 80 milhões de euros) servirão para um aumento de capital através de novas ações primárias, para financiar a expansão da Ebury para novos mercados na América Latina e Ásia. O Santander espera um retorno de mais de 25% do capital investido até 2024.

Com sede no Reino Unido, a Ebury opera atualmente em 19 países e em 140 moedas. A fintech cresceu 40% ao ano nos últimos três anos. “A parceria fará com que a Ebury possa aperfeiçoar a sua proposta de valor com o suporte de uma instituição financeira líder”, afirmou o Santander.

“O Brasil é um dos mercados com maior potencial de internacionalização de suas empresas de pequeno e médio porte, que tradicionalmente lideram os processos de retomada do crescimento econômico, e esse raciocínio também é válido para os demais mercados da América Latina”, disse CEO do Santander Brasil, Sergio Rial, no comunicado.

Ainda de acordo com o comunicado do Santander, a Ebury vai continuar operando de forma independente.Isso foi o que ocorreu com a Getnet, maquininha de pagamentos que também faz parte do grupo do banco. O CEO do Santander Brasil agora se torna presidente do conselho de administração da fintech.

Startups compradas por bancos tradicionais

Algo comum nesse mundo de fintechs é que elas sejam compradas por bancos, que ao invés de verem elas como concorrentes usam a tecnologia e os recursos das startups para se fortalecerem. Exemplo disso é a própria Getnet, adquirida em 2014 pelo Santander. O banco também comprou a fintech de cartões pré-pagos ContaSuper, em 2016.

No final de outubro, o Itaú Unibanco anunciou a compra de metade das operações da Zup IT, empresa brasileira de serviços de tecnologia. O investimento foi de R$ 293 milhões e teve o objetivo de acelerar projetos de transformação digital e oferecer novas funcionalidades e produtos digitais aos clientes do banco.

Como receber pagamentos do exterior

O propósito principal da Ebury é permitir que os usuários recebam valores de outros países. Portanto, é isso que o Santander deseja facilitar para as empresas brasileiras com a aquisição da fintech. Hoje em dia, existem algumas forma de receber pagamentos de outros países:

Transferwise

Uma plataforma online que permite receber dinheiro do exterior direto para sua conta corrente ou poupança. No Brasil, a TransferWise opera por meio de seus correspondentes locais – MS Bank e Banco Rendimento. O cliente pode transferir do Brasil para o exterior, ou do exterior para o Brasil. O beneficiário (no caso você ou sua empresa) não precisa fazer o cadastro na plataforma.

Moneygram

Um provedor de serviços de transferência de dinheiro e pagamentos internacionais.

Para receber dinheiro no Brasil pela MoneyGram, existem duas opções: receber o dinheiro diretamente em sua conta bancária ou retirar pessoalmente em uma agência MoneyGram.

Todavia, quem escolhe como a pessoa vai receber o dinheiro é quem está enviando o dinheiro, na hora da transação. Isso influenciará o valor final que o beneficiário irá receber, por causa das taxas.

Xoom

O Xoom pertence ao PayPal e possibilita receber dinheiro do exterior no Brasil, mas funciona somente para pessoas físicas. Para fazer a transferência, o remetente precisa ter um cadastro na empresa ou no PayPal. Ademais, quem faz o pagamento pode usar cartão de débito, crédito ou o próprio saldo no PayPal.

Western Union

Presente no Brasil desde 1997, a Western Union é uma empresa de serviços financeiros que permite enviar dinheiro entre vários países.

Primeiramente, para receber dinheiro do exterior pela empresa, é preciso ir a uma agência Western Union com o código da transferência (Money Transfer Control Number) e os seus documentos. Também existe a opção de receber o saldo direto na conta.

Santander compra fintech Ebury, qual a conclusão?

Enfim, com essa nova aquisição do Santander, fica a expectativa de que haja novas soluções de pagamento para empresas que queiram se internacionalizar. Por enquanto, os empreendedores e prestadores de serviço precisam usar as opções já disponíveis para conseguir receber em outras moedas.

Essas aquisições do banco mostram como o Santander está forte no mercado e não está se deixado ameaçar pelo crescimento das fintechs, como Nubank, Banco Inter e outras.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.