Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Trabalho por aplicativo: renda cai e jornada de trabalho aumenta

Trabalho por aplicativo: ganhos diminuem enquanto horas de trabalho aumentam. Descubra os desafios enfrentados pelos trabalhadores.

Um recente estudo conduzido pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (Ipea) revisitou a precarização das condições de trabalho para motoristas e entregadores que operam via aplicativos no Brasil. A pesquisa revela que, a despeito da flexibilidade prometida por essas plataformas, muitos trabalhadores enfrentam jornadas extenuantes com remunerações menores.

Sandro Sacchet e Mauro Oddo, técnicos de planejamento e pesquisa do Ipea, apontam uma queda significativa na renda média e na cobertura previdenciária dos trabalhadores deste setor, contrastando com o aumento das horas de trabalho semanais. Esses fatores indicam uma tendência de deterioração das condições de trabalho, apesar do aumento da demanda e da popularidade do modelo de negócio.

Quais são as descobertas sobre a jornada e renda dos trabalhadores?

Segundo o estudo, entre 2012 e 2022, o número de motoristas de transporte de passageiros aumentou de 400 mil para 1 milhão. No entanto, o rendimento médio desses profissionais caiu de R$ 3,1 mil para menos de R$ 2,4 mil. Além disso, a proporção de trabalhadores que jornada entre 49 e 60 horas semanais cresceu significativamente, indo de 21,8% para 27,3% no mesmo período.

saque especial dono de moto aplicativo
Imagem: Nirat.pix / shutterstock.com

Já no segmento de entregadores, a pesquisa do Ipea mostra uma realidade similar. Em 2015, havia 56 mil trabalhadores nessa categoria com uma renda média de R$ 2,250 mil. Seis anos depois, o número de entregadores subiu para 366 mil, mas com uma queda na renda média para R$ 1,650 mil. A falta de contribuição previdenciária também se destacou, apresentando uma queda acentuada entre os anos analisados.

O que dizem os órgãos de representação do setor de aplicativos?

Em resposta ao estudo, a Associação Brasileira de Mobilidade e Tecnologia (Amobitec) argumentou que as metodologias utilizadas poderiam impactar os resultados, citando especificidades como a área geográfica da pesquisa e as características dos entrevistados que utilizam os aplicativos como complemento de renda.

Veja também:

Bolsa Família: pessoas mais velhas e que moram sozinhas têm prioridade?

A associação defende que, apesar das particularidades do trabalho intermediado por plataformas, esse tipo de atividade não é menos digno que ocupações tradicionais. Ainda para a Amobitec, uma pesquisa realizada pelo Datafolha em 2021 mostrou que a maioria dos brasileiros considera o trabalho por aplicativos como uma ocupação digna, e muitos dos trabalhadores pretendem continuar na modalidade.

Imagem: Rostislav_Sedlacek / Shutterstock.com