Os golpes da internet estão se tornando cada vez mais comuns e os criminosos se utilizam da desinformação para fazer diversas vítimas. Recentemente, diversos golpes que prometem o auxílio emergencial de R$ 600 vêm sendo aplicados no WhatsApp e também nas redes sociais. Conforme o laboratório especializado em segurança digital da PSafe, mais de 11 milhões de pessoas já caíram no golpe do Auxílio Emergencial.

É provável que você também goste:

Beneficiários do Auxílio Emergencial com contas fora da Caixa terão depósito após o dia 30

Tutorial: Como sacar o auxílio emergencial no Banco24h antes das datas de saque?

Quais as penalidades para quem recebeu o Auxílio Emergencial e não tem direito?

Golpe do Auxílio Emergencial vem fazendo diversas vítimas

Com a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, o Governo Federal liberou o Auxílio Emergencial no valor de R$ 600 por três meses para trabalhadores informais, MEIs, desempregados e autônomos. Desta forma, os criminosos estão se aproveitando do desespero das pessoas para aplicarem seus golpes. Com a liberação da segunda parcela do benefício na última segunda-feira (18), os golpistas continuam se aproveitando da situação. Assim, é preciso ter muito cuidado para não ser lesado.

De acordo com o laboratório de segurança digital da PSafe, no começo de abril, o número de pessoas que caíram no golpe do Auxílio Emergencial chegou a 6,7 milhões. Um mês depois, mais 5 milhões de pessoas acabaram sendo vítimas do golpe.

Aplicativos falsos

A PSafe detectou ao menos 270 aplicativos falsos relacionados ao novo coronavírus. Esses aplicativos, também conhecido como malwares, têm como objetivo roubar dados pessoais da vítima, entre outros prejuízos. O único aplicativo confiável do benefício do governo é o ”Caixa Auxílio Emergencial”, que está disponível para Android e iOS.

Qual o objetivo desse tipo de golpe?

Conforme o dfndr lab, o objetivo deste tipo de golpe além de coletar as informações pessoais da vítima, é lucrar a partir das visualizações de propagandas em sites falsos. A Caixa Econômica Federal diz que vem trabalhando com a Polícia Federal e outros órgãos do governo para tentar bloquear serviços falsos.

O banco preparou um documento para que os beneficiário do Auxílio Emergencial não caiam nesse tipo de golpe. O documento é uma espécie de cartilha que contém orientações para evitar que as pessoas sejam lesadas, principalmente neste momento difícil que todos estão vivendo.

Abaixo, segue alguns trechos do documento feito pela Caixa Econômica Federal:

“Mas apesar dos dispositivos de segurança nas plataformas digitais do banco, o cliente deve estar sempre atento a qualquer atividade e situação não usual, e principalmente não clicar em links recebidos por SMS, WhatsApp ou redes sociais para acesso a contas e valores a receber, desconfiando de informações sensacionalistas e de ‘oportunidades imperdíveis.’’

Além disso, a Caixa pede que os clientes utilizem apenas os canais oficiais para informações sobre o Auxílio Emergencial:

“Neles são utilizados fatores complementares de segurança baseados em informações, código de verificação, além do próprio dispositivo para garantir o devido nível de segurança do processo. Assim, podemos garantir que ao utilizar os aplicativos oficiais da Caixa as informações e transações dos clientes estarão seguras.”

Caixa alerta sobre fake news

Além das recomendações citadas, a Caixa alerta a todos sobre as fake news:

“Antes de compartilhar informações sobre a epidemia e o auxílio emergencial, procure em veículos confiáveis e fontes oficiais para confirmar se é realmente é verídico, tais como: Ministério da Saúde; Ministério da Cidadania; Ministério da Economia; Secretaria Especial de Previdência e Trabalho; Caixa; Dataprev; jornais e sites de relevância.”

Saiba como funciona o gole do Auxílio Emergencial

O golpe do Auxílio Emergencial pode ocorrer de duas maneiras, portanto é preciso ficar muito atento. Uma das maneiras é através de um link malicioso recebido pelo WhatsApp. Já a segunda maneira é através de um aplicativo falso ou site falso.

Segue abaixo como funciona o golpe:

Link falso

  • A vítima recebe um link via WhatsApp.
  • Quando entra no link, o usuário é induzido a responder algumas perguntas relacionadas ao programa.
  • Após respondidas as perguntas, a vítima é induzida a realizar um cadastro para receber o suposto benefício. Além disso, é solicitado que um link seja compartilhado com o restante dos contatos no WhatsApp e redes sociais.
  • Por fim, a vítima é direcionada para uma página falsa para fornecer os seus dados pessoais e visualizar propagandas falsas. Além disso, malwares podem ser instalados no seu dispositivo.

Aplicativo falso

  • A vítima procura pelo aplicativo da Caixa na Google Play Store (Android) ou App Store (iOS).
  • Ao baixar um aplicativo falso, acaba não encontrando nele nada relacionado ao benefício, mas sim propagadas dos diversos tipos.
  • Mesmo que a vítima não seja lesada financeiramente, o criminoso recebe por visualização das publicidades.

Site falso

  • Um link prometendo levar ao site oficial do benefício é recebido pela vítima. Ao entrar no link, o usuário é redirecionado a um site falso que oferece o suposto app oficial da Caixa para download.
  • Ao baixar o aplicativo falso, o dispositivo é bloqueado e a vítima recebe uma mensagem pedindo uma quantia em dinheiro para desbloqueá-lo.
  • Se o pagamento não for realizado, o hacker reseta o celular, fazendo com que o usuário perca todos os seus dados.

Orientações da Caixa para não cair no golpe do Auxílio Emergencial

Use Antivírus

“Utilize programas que visam manter a segurança eletrônica dos seus dados e de seus familiares. Além dos antivírus, existem programas conhecidos como firewall pessoal, que monitoram comportamentos considerados suspeitos no computador.”

Certificado e https no navegador

“Para conferir o Certificado de Segurança do site, deve aparecer a imagem de cadeado antes do endereço, e então o usuário pode clicar neste cadeado para verificar este certificado e sua data de validade.”

Segurança antifraudes

“No caso da ativação das contas Poupança Social Digital, uma solução integrada de autenticação digital verifica a integridade dos dados fornecidos pelo cliente e do dispositivo utilizado no momento do cadastro.”

Iscas utilizadas pelos golpistas

Além de todas as dicas para não cair em golpes, a Caixa ainda listou algumas iscas utilizadas pelos criminosos que podem fisgar os beneficiários do programa:

  • Aplicativos sobre o Auxílio Emergencial e Coronavírus não oficiais (do governo);
  • Registro para receber vacina, álcool em gel, máscaras e outros produtos;
  • Agendamento de testes da COVID-19 e outros.
  • Links no WhatsApp e SMS que prometam álcool gel; vacinas e medicamentos.

Quais outros golpes estão sendo usados durante a pandemia da Covid-19?

No entanto, o golpe do Auxílio Emergencial não é o único que está sendo utilizado por criminosos durante a pandemia do novo coronavírus. Conforme o PSafe, ao menos 14 milhões de tentativas de golpe usando mais de 179 páginas maliciosas com diversas abordagens relacionados à pandemia foram feitas.

Não apenas golpes relacionados aos benefícios sociais estão sendo feitos. Diversos outros golpes usando grandes marcas estão sendo disseminados. Entre os exemplos, temos a oferta de cerveja Heineken grátis e também o golpe da assinatura grátis na Netflix.

Ainda de acordo com o estudo do laboratório da PSafe, os criminosos virtuais procuram utilizar temas que estão em alta durante a pandemia do coronavírus. Os meios mais comuns para que os golpes sejam disseminados é o WhatsApp, que ocorre em 90% dos casos. No Facebook ocorrem 3% dos casos e, por outros meios, 7%:

“No Facebook, foram detectados bots que, fingem serem atendentes do governo federal e conversam com o usuário solicitando informações, como o estado em que ele vive, para em seguida redirecionar a vítima para uma página para capturar dados pessoais. Os robôs normalmente pedem o compartilhamento da página maliciosa com amigos e os envia para sites cheios de publicidades.”

“A maior parte finge oferecer monitoramento em tempo-real do total de infectados mundialmente e funcionam como um ransomware: trava a tela do celular e chantageia em busca de pagamento para o desbloqueio.”

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Shutterstock/ozrimoz