O número de brasileiros que acabam com o nome negativado por não conseguirem quitar suas dívidas é o maior dos últimos tempos e não é para menos: inflação nas alturas, juros cada vez mais altos, a falta de emprego e a crise econômica vêm deixando tudo mais difícil. Se você já teve seu nome negativado ou deixou de pagar alguma dívida por falta de dinheiro, sabe muito bem que essa situação não é nada agradável. Sua vida financeira acaba sendo bloqueada completamente e sair disso não é simples, o que torna indispensável tentar renegociar a dívida.

É provável que você também goste:

Conta PJ do Banco Original vai vir forte contra o Nubank e Banco Inter

Famílias do Nordeste estão recebendo menos recursos do Bolsa Família

Renegociar dívidas caducadas aumenta o score de crédito? Descubra aqui a verdade

Diante desse cenário, muitas empresas estão facilitando a renegociação de dívidas, pois é essa uma maneira de ajustar a vida de ambos os lados. No entanto, em toda a negociação é preciso ter cautela para não cometer excessos.

Para sair do vermelho e quitar as contas, muitas pessoas acabam recorrendo para o empréstimo pessoal. Todavia, é preciso ter em mente que você está trocando dívidas, então atenção para não acabar criando outro tipo de problema. Ah, e nada de usar o cheque especial, pois os juros são os mais altos do mercado!

Percebendo que esse é um interesse comum entre nossos leitores, preparamos esse conteúdo para ensinar você a quitar suas dívidas e conseguir voltar para a zona de conforto.

O que fazer para acertar na hora de renegociar dívidas?

Quando você tomar a decisão de renegociar suas dívidas tenha sempre uma palavra em mente: PLANEJAMENTO.

Tudo começa com um bom planejamento financeiro, no qual você terá que entender o quanto entra de dinheiro todos os meses, quais são suas dívidas fixas e quanto desse montante você consegue usar para quitar suas dívidas.

No meio de uma crise financeira é comum que o desespero apareça e, por isso, muitas pessoas acabam colocando os pés pelas mãos. Mas não é hora de desespero: nesse momento, você precisa principalmente de calma e atenção.

A melhor forma de começar a enxergar a solução é ir direto no credor, mostrar suas disponibilidades de pagamento e entender como ele pode receber. Uma negociação justa sem dúvida é bom para ambos os lados.

Dicas para renegociar dívidas com melhores condições

Seu objetivo é quitar todas as suas dívidas, limpar seu nome e voltar para o azul? Então temos 7 dicas imperdíveis que farão você conseguir renegociar suas dívidas com as melhores condições do mercado.

#Dica 1 – Saiba seu limite e informe ao credor um pouco menos

Como dissemos acima, antes de você querer negociar as contas, faça um levantamento de suas finanças e veja o quanto pode pagar.

Muitos credores vão perguntar qual o valor de parcela máxima que pode pagar e sem ter feito as contas será difícil saber. Então, se você pode pagar até R$300,00 por mês, informe que você pode pagar R$200. Assim, você fica com um conforto maior. Mas não deixe de avaliar os juros dessa negaciação.

#Dica 2 – Coloque os imprevistos nas contas

Ninguém está livre de um imprevisto no mês, sendo assim, se for possível, deixe uma reserva para que você possa trocar um pneu, comprar um remédio ou algo que saia de seus planos. Isso certamente é importante para não passar sufoco.

#Dica 3 – Comprometa apenas 20% da renda com dívidas

Sugerimos que você não comprometa mais do que 20% da sua renda com pagamento de dívidas. Dessa forma, você consegue ter mais flexibilidade.

#Dica 4 – Atenção total ao contrato de negociação

Algumas empresas exigem que o negociante assine um contrato sobre o acordo feito. É muito importante que você leia, de verdade, cada linha. Isso porque muitas empresas embutem taxas extras, multas e encargos que não são falados, o que pode aumentar sua prestação.

#Dica 5 – Jogue com os números

Quando for negociar, esteja pronto para jogar com os números. Isso porque aumentar R$ 10 ou R$ 20,00 em uma parcela, pode fazer você economizar mais de 40% da dívida. Procure não olhar apenas para o valor mensal, mas para o total.

#Dica 6 – Empréstimos pessoais são uma opção

Dependendo do tamanho da sua dívida e da quantidade de empresas para as quais você deve, talvez seja melhor pegar um empréstimo pessoal online, quitar todas as dívidas e centralizar o pagamento em um único local.

Falamos isso porque cada empresa tem sua política de cobrança, muitas vezes com taxas e encargos que são bem altos. Então, trocar uma dívida do qual você paga 20% de juros ao mês, por um empréstimo que custará de 7 a 8% de juros é muito mais vantajoso, não acha?

#Dica 7 – Exija desconto para pagamento à vista

Se você optar por pegar um empréstimo pessoal para quitar suas dívidas, negocie com o credor um bom abatimento para pagamento à vista.

A maioria das empresas já dão desconto, entretanto você pode negociar ainda mais, solicitando que sejam retirados encargos e juros que excedam o que está descrito em lei. Certamente, a empresa facilitará as condições de pagamento, pois não é interessante para ela levar um calote.

Anotou tudo? Esperamos que esse conteúdo ajude você sair do vermelho e voltar a respirar aliviado.

Enfim, gostou da matéria?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.

Imagem: fizkes, via Shutterstock.