Após seis meses de pandemia, renda dos MEIs ainda cai

0

Nos dois primeiros meses da pandemia no Brasil, uma pesquisa realizada em maio pela Fintech Neon em parceria com o venture capital americano Flourish Ventures, com a ajuda da empresa 60 Decibels, mostrou que os microempreendedores individuais (MEIs) foram particularmente afetados pela crise: 90% deles disseram ter tido queda de renda desde a chegada do coronavírus. Nova etapa do estudo, feita em setembro, mostra que a situação melhorou, mas que os MEIs ainda estão sendo duramente afetados pela crise.

É provável que você também goste:

Parcela extra do seguro desemprego não é aprovada.

Desbloqueio de BPC pode ser feito por canais remotos do INSS

Qual rende mais agora? Nubank ou PicPay.

Após seis meses de pandemia, renda dos MEIs ainda cai

De acordo com a nova pesquisa, 77% dos MEIs apontaram que sua renda caiu em Agosto, mês que antecedeu a pesquisa, e 95% disseram estar preocupados com o coronavírus. As maiores causas de preocupação foram a saúde (35%); a capacidade de ganhar dinheiro (34%); a economia (15%) e o acesso a serviços básicos (8%).

Questionados se sua qualidade de vida havia piorado no último mês, 43% dos MEIs apontaram que sim: para 13%, piorou muito; para 30%, piorou um pouco; para 36% não mudou; para 17% melhorou um pouco e para 4% melhorou muito.

A primeira fase do estudo no Brasil revelou que, antes do coronavírus, 2% dos MEIs recebiam menos de R$ 500 por mês, número que chegou a 37% em maio. Na outra ponta, 24% faturavam mais de R$ 3.000 mensais antes da pandemia, ante 3% após. Já em setembro, 17% dos MEIs declararam receber menos de R$ 500 e 5% disseram faturar mais de R$ 3.000 no mês. 

Quando perguntados sobre suas fontes de esperança, o resultado foi o mesmo da primeira etapa da pesquisa: tanto em maio quanto em setembro, 40% dos MEIs disseram não ter nenhuma. Em setembro, 23% disseram que o governo lhes dá esperança, enquanto em maio esse número era de 16%.

“O MEI é um empreendedor que trabalha muito na rua, então os primeiros meses foram muito duros com ele. Vemos que, após seis meses de pandemia, alguns números melhoraram e que quase 40% deles precisou iniciar uma atividade extra para conseguir mais renda. Mas chama a atenção o fato de que a falta de esperança se manteve num nível muito alto. Ainda há muito o que fazer para ajudá-lo”, diz Marcelo Moraes, diretor da área de pessoa jurídica da Neon.

A pesquisa completa, com dados de maio e setembro, pode ser vista no site app.60decibels.com/covid-19/flourish-gigeconomy2020-brazil-pt. 

Enfim, gostou da notícia?

Então, nos siga no canal do YouTube e em nossas redes sociais, como o FacebookTwitterTwitch e Instagram. Assim você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de créditoempréstimos etc.

Imagem: rafapress/shutterstock

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar