O serviço de pagamentos WhatsApp Pay foi lançado no último dia 15 de junho no Brasil. Entretanto, nesta terçar-feira (23), o Banco Central suspendeu o serviço de pagamentos do WhatsApp no país. Além disso, o BC emitiu uma nota onde determina que a Visa e Mastercard suspendam de imediato os pagamentos e transferências pelo aplicativo.

É provável que você também goste:

Itaú Unibanco oferece dezenas de vagas de emprego pelo país

Maia contraria Bolsonaro e diz que estender auxílio emergencial não quebrará o País

WhatsApp Pay: Bradesco, Itaú e Santander testaram, mas desistiram de aderir

BC suspende serviço de pagamentos WhatsApp Pay

Na nota emitida, o Banco Central diz que para funcionar, o novo serviço deve obter uma autorização prévia:

“No âmbito de suas atribuições de regulador e supervisor dos arranjos de pagamento no Brasil, o Banco Central (BC) determinou a Visa e Mastercard que suspendam o início das atividades ou cessem imediatamente a utilização do aplicativo WhatsApp para iniciação de pagamentos e transferências no âmbito dos arranjos instituídos por essas entidades supervisionadas.”

O BC ainda deixou claro que a medida visa “preservar um adequado ambiente competitivo, que assegure o funcionamento de um sistema de pagamentos interoperável, rápido, seguro, transparente, aberto e barato.”

Medida servirá para que o Banco avalie riscos

Ainda na nota, o BC diz que a medida deverá servir para que eventuais riscos no funcionamento adequado do Sistema de Pagamentos Brasileiro (SPB) sejam avaliados:

“O eventual início ou continuidade das operações sem a prévia análise do Regulador poderia gerar danos irreparáveis ao SPB notadamente no que se refere à competição, eficiência e privacidade de dados.”

O veto promovido pelo Banco Central dividiu as opiniões de especialistas no ramo financeiro, que deram entrevista ao site do Estadão:

“O mercado brasileiro é ultra regulado e o Facebook é uma empresa que sofre com problemas de regulação em outros países. O BC não aceitaria uma solução que pode mexer com os dados financeiros dos usuários. Não é nem a questão do interesse econômico”, disse uma fonte anônima.

“É difícil interpretar a decisão do BC. Não parece que o modelo oferecia risco ao sistema de pagamentos brasileiro (SPB) ou à competitividade no mercado”, revelou outra fonte.

O lançamento do WhatsApp Pay no Brasil teria incomodado os grandes bancos, que chegaram a participar dos testes com o novo serviço, mas acabaram não aderindo. Além disso, o Banco Central parece não ter gostado nem um pouco, visto que, o novo sistema de pagamentos do WhatsApp é um potencial concorrente do seu sistema de pagamentos instantâneos, o PIX.

Funcionalidade já tinha Nubank, Sicredi e Banco do Brasil como parceiros

O Brasil foi um dos pioneiros nos testes do novo serviço criado pelo Facebook para envio e recebimento de dinheiro no WhatsApp. A funcionalidade estava sendo ofertada a usuários de cartões de débito e crédito das bandeiras Visa e Mastercard emitidos pelo Banco do Brasil, pela fintech Nubank e pelo Sicredi, sistema de cooperativas. Os pagamentos seriam processados pela Cielo. A ideia do aplicativo era estender o serviço de pagamentos de forma gradual. Amanhã (24), o presidente do BC, Roberto Campos Neto, participa, às 13h30, de reunião por com representantes do WhatsApp e do Facebook.

Como funciona o recurso de pagamentos do WhatsApp?

A possibilidade de realizar pagamentos pelo aplicativo de mensagens seria disponibilizada no Brasil de forma gradual, ao longo das próximas semanas. Com o recurso de pagamentos do WhatsApp, oferecido pelo Facebook Pay, existe a função “Pagamento”, que seria disponibilizada no WhatsApp assim que o aplicativo recebesse a atualização. Dessa forma, é possível enviar ou receber dinheiro da mesma maneira que são enviados arquivos, fotos, contatos e localização.

Em geral, as operações entre pessoas e empresas poderiam ser feitas tanto na forma de débito quanto de crédito. No entanto, quando os pagamentos por WhatsApp são realizados de pessoa para pessoa, é disponibilizada apenas a modalidade débito. Nesses casos, a pessoa receberia o valor em até um dia útil. Nas transações de crédito, o valor cairia na conta em até dois dias úteis.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Jakraphong Photography via Shutterstock