Que muitas pessoas estão tentando conseguir o Auxílio Emergencial e tem o benefício negado por descumprir algum requisito não é mais novidade para ninguém. Mas e quando alguém que tem um bom salário ou é familiar de celebridade consegue o benefício? É de se indignar, não é mesmo? Pois foi o que aconteceu com o filho de William Bonner e Fátima Bernardes, dois dos jornalistas mais famosos do Brasil. O pai é ninguém menos que o âncora do principal jornal da Rede Globo, o Jornal Nacional. E se você ficou em dúvida sobre a pergunta do nosso título, saiba que a resposta é sim, o herdeiro de Bonner e Fátima realmente conseguiu o Auxílio Emergencial.

É provável que você também goste:

COVID-19: Trabalhador poderá optar pelo vale-refeição em dinheiro

Parceria entre a Caixa e empresas de maquininhas vai possibilitar crédito a microempresas

Depois de Guedes, secretário sugere que Auxílio Emergencial reduza ao valor do Bolsa Família, por mais meses

Filho de William Bonner e Fátima Bernardes realmente conseguiu o Auxílio Emergencial?

Mas calma, o menino não pediu o benefício social. Além disso, quem denunciou a irregularidade foi o próprio pai, William Bonner. De acordo com ele, seu filho, Vinícius Bonemer, de 22 anos, teve seu CPF e dados pessoais utilizados indevidamente no cadastro no auxílio emergencial.

Bonner falou que “estelionatários têm usado há 3 anos o nome e o CPF de meu filho para fraudes, como a abertura de empresas ou a contratação de serviços de TV por assinatura, entre outras.

De acordo com o pai de Vinícius, o pedido de Auxílio Emergencial foi uma fraude feita foi meio de uso indevido de dados. Além disso, o caso aponta uma falha grave no programa assistencial, já que seu filho extrapola a renda máxima permitida no programa. Isso prova que a análise do programa está sendo falha, pois enquanto milhares de beneficiários não estão conseguindo receber o benefício, milhares de militares receberam indevidamente os R$ 600 do governo.

O filho de William Bonner não retirou o dinheiro, mas consegue acompanhar a conta e até mesmo saber se a pessoa que lhe inscreveu indevidamente movimentou a poupança digital da Caixa. Além disso, o apresentador garantiu que a família irá registrar uma queixa-crime contra a fraude de uso do CPF.

Caso do filho de William Bonner mostra que sistema de cruzamento de dados da Dataprev está sendo ineficiente

Além disso, 2 milhões de beneficiários que tem direito ainda não sacaram o benefício, e isso deixa a dúvida se o dinheiro está chegando na mão de quem realmente precisa.

O Auxílio Emergencial é um programa social desenvolvido pelo Governo Federal para amenizar a crise do coronavírus. E esse benefício é voltado para desempregados, microempreendedores individuais e trabalhadores autônomos. Além de não poder ter um emprego formal de carteira assinada, o beneficiário deve cumprir outros requisitos de renda. A renda deve ser de até meio salário mínimo (522,50 reais) ou até três salários mínimos na família (3.135 reais).

Além disso, o beneficiário não pode ser aposentado ou pensionista, nem estar recebendo o seguro-desemprego ou ser funcionário público. Também é necessário não ter declarado Imposto de Renda acima do teto em 2018.

Onde está o erro?

Antes de mais nada, saiba que a responsável pela análise dos dados dos cadastros do Auxílio Emergencial é a Dataprev, uma empresa de tecnologia do Governo Federal que analisa todos os beneficiários de programas sociais do Brasil.

A análise de dados é feita através de cruzamento das informações do Cadastro Nacional de Informações Sociais (Cnis) com os bancos de dados de vínculos empregatícios e da Receita Federal. E no caso do filho de William Bonner, o sistema falhou ao não identificar a renda familiar do rapaz, que certamente é maior do que o teto do Auxílio Emergencial, e deveria ser negado por isso.

Ao ser questionada, a Dataprev informou que está analisando os pedidos com as informações que “estão disponível nas bases e cadastros oficiais“, e que a responsabilidade de informar os dados corretamente é do próprio cidadão. Ao omitir informações ou mentir para o sistema, o cidadão está cometendo o crime de falsidade ideológica, como já falamos neste artigo.

Já o o Ministério da Cidadania alegou que informa ao Portal da Transparência o nome de todos os inscritos no Auxílio Emergencial. Quando há “indício de ilegalidade, em especial na ótica criminal, é imediatamente informado à Polícia Federal. Não importa quem seja”.

Mas como pudemos ver neste caso do filho de William Bonner e no caso de militares que receberam o benefício e até mesmo no caso de milhares de brasileiros que tiveram o benefício negado injustamente, há falhas no sistema de cruzamento de dados.

Enfim, gostou da notícia?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem destacada: Reprodução/Instagram