O Governo Federal está estudando uma alternativa para complementar a renda dos idosos. Ou seja, o idoso teria que hipotecar a casa para o banco em troca de uma renda vitalícia. Com isso, está sendo preparada a regulamentação da chamada hipoteca reversa no Brasil. Conheça mais sobre ela.

É provável que você também goste:

Paulo Guedes diz que funcionários públicos têm parte da culpa por ‘roubalheira’.

Vale a pena contratar uma empresa para limpar o nome no SPC/Serasa?

BB diz que comercial vetado por Bolsonaro tinha muita juventude descolada.

Governo federal estuda dar renda vitalícia em troca de imóvel

Hipoteca reversa

Nesta modalidade de crédito destinada a idosos, o imóvel já quitado é utilizado como garantia em troca de uma renda mensal vitalícia. Contudo, depois da morte, a dívida é quitada com a venda do bem e se sobrar dinheiro fica para os herdeiros.

Complementação de renda

Esta alternativa pode representar uma complementação de renda para idosos que possuam alguma propriedade, mas tiveram seus ganhos reduzidos após a aposentadoria ou por algum motivo.

Hipoteca reversa tem sido bastante utilizada em outros países

A hipoteca reversa é bastante utilizada em outros países, como os Estados Unidos, Austrália e Reino Unido, devido à crescente expectativa de vida de sua população.

No EUA, por exemplo, a modalidade ganhou spaço depois da crise financeira de 2008. Além disso, a modalidade é permitida para proprietários a partir dos 62 anos. Por aqui, o governo, no entanto, não vai fixar um marco de idade. Ficará, portanto, a cargo dos bancos analisar livremente o público-alvo para o produto.

Banco dá uma mesada ao idoso

O idoso ganha um tipo de mesada com o banco, ou seja, um pagamento vitalício, que pode ser utilizado como uma complementação de renda, como falamos anteriormente, sendo que o empréstimo fica atrelado ao imóvel. O idoso, portanto, segue morando no imóvel, mas quando ele morre, o bem é vendido e a dívida quitada. Outra opção também é receber o valor do empréstimo em uma única parcela.

Herdeiros podem manter ou ainda vender o imóvel

Depois que o proprietário morrer, os herdeiros tomarão a decisão de manter o imóvel na família. Mas se optarem por isso, terão que arcar com o valor da dívida. Se não quiserem, o imóvel será vendido e o banco receberá o valor correspondente ao que foi emprestado ao falecido dono. Contudo se o valor da venda for maior que o da dívida, o saldo é distribuído entre os herdeiros.

Enfim, gostou da notícia sobre a renda vitalícia de idosos?

Então, siga Seu Crédito Digital no Google News. Receba em primeira mão notícias sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos e empréstimos. Bem como tudo relacionado ao mundo das fintechs.