Open banking vai dar vida nova para o varejo no Brasil

A tendência é que o novo modelo facilite as negociações trazendo agilidade, transparência e segurança.

0

Criado pelo Banco Central, o open banking vai ter como objetivo o compartilhamento de informações bancárias entre diferentes instituições financeiras. Nesse modelo, que deve ser completamente implementado no país até outubro de 2021, o cliente é dono de todas as suas informações bancárias e de seu histórico. Isso tudo sem dúvida deve facilitar negociações futuras, inclusive pela redução da burocracia.

É provável que você também goste:

Fintechs antecipam Open Banking e Pix e devem revolucionar o sistema bancário brasileiro

Conheça 5 vantagens de registrar suas chaves do Pix no Banco Inter

762 instituições podem oferecer o Pix a partir de novembro, de acordo com o Banco Central

Obviamente, esse modelo trará mudanças não apenas para pessoas físicas, mas para todo tipo de negociação no país, e o varejo não é exceção. Com total acesso ao perfil e ao comportamento financeiro de cada cliente, as empresas terão a oportunidade de oferecer soluções e produtos de maneira muito mais objetiva. E isso gera, sim, uma maior concorrência entre elas, levando-as a repensar suas estratégias de marketing e a maneira como abordam os consumidores.

Vale destacar que esse acesso será obtido por meio de parcerias com instituições autorizadas pelo Banco Central. Além disso, os dados só estarão disponíveis com a devida autorização do cliente em questão.

Open Banking vai afetar o varejo de forma positiva

No fundo, talvez o setor de varejo seja o mais afetado por esse novo sistema, mas não de uma maneira negativa. As mudanças na forma como se faz comércio não significam o seu fim, mas um novo caminho, uma alternativa de melhoria, que tornará as operações mais ágeis e transparentes. Deve-se observar que esse modelo também aproxima as empresas de seus potenciais consumidores, evitando desde falhas de entrega até fraudes.

A chegada do Open Banking não significa que o velho sistema bancário vá morrer, mas, com certeza, ele deverá se adaptar, bem como outros setores e os próprios cidadãos. No entanto, é inegável que, para os lojistas, passadas as eventuais dificuldades de adaptação, a tendência é que o novo modelo facilite as negociações trazendo agilidade, transparência e segurança; conceitos mais do que necessários neste momento em que ainda estamos saindo de uma crise.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube e em nossas redes sociais, como o FacebookTwitterTwitch e Instagram. Assim você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos etc.

Autor: Davi Holanda, CEO da Acesso Soluções de Pagamentos 

Imagem: Prostock-studio / Shutterstock

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar