Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Projeto estima redução de 15% na conta de luz; entenda os detalhes

0

A conta de luz do brasileiro pode ficar 15% mais barata. Isso mesmo. Está em tramitação no Congresso a chance do consumidor escolher o próprio fornecedor de energia elétrica. O desconto, que pode ser em média de 15%, é uma estimativa da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel). Abaixo, confira os detalhes.

É provável que você também goste:

Tarifa Social: aprenda a economizar na conta de luz e pagar pouco

Felipe Neto mostra quanto paga de conta de luz e água; valores assustam

Conta de luz: bandeira de escassez hídrica pode acabar em abril

Projeto estima redução de 15% na conta de luz; entenda os detalhes

Atualmente, apenas os grandes consumidores de eletricidade, como as indústrias, podem comprar energia no mercado livre. Assim, é possível negociar os preços, quantidade, e até a fonte de energia com as geradoras ou comercializadoras. Enquanto isso, os consumidores residenciais ganham energia através de uma distribuidora, que tem tarifas reguladas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Segundo a Abraceel, a possibilidade de negociação levaria a uma redução média de 27% na fatia da conta de luz. Entretanto, como incidem sobre as faturas, impostos, encargos e taxas pelo uso do serviço de distribuição, a redução total deve ser de 15%.

Além disso, o presidente executivo da associação, Rodrigo Ferreira, diz que a economia na conta de luz ocorre devido à concorrência. “É a diferença entre a tarifa de energia das distribuidoras, regulada pela Aneel e que reflete basicamente os custos dos leilões, e o preço da energia no mercado livre. A competição e a maior eficiência na contratação e na gestão da energia tornam o preço mais baixo no mercado livre.”

Ademais, a alteração nas regras da conta de luz está em dois projetos de lei na Câmara: o projeto 1917/2015, aprovado em comissão especial em 2021. E o projeto 414/2021, elaborado pelo ex-ministro de Minas e Energia e deputado, Fernando Coelho Filho (União-PE). Por fim, o parecer estima a abertura total do mercado em até 3 anos e meio. A previsão é de que o texto seja analisado até o começo de abril na Câmara.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então nos siga no canal no YouTube e em nossas redes sociais, como o  Facebook, Twitter, Instagram, e Twitch. Assim, você acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos, fintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

Imagem: Gabriel_Ramos / Shutterstock.com

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar

Fechar