Você deve ter percebido que nas últimas semanas foi aprovada a Nova Lei do Cadastro Positivo. Será que ela é boa para os consumidores ou somente para os bancos e os bureaus de crédito? Aliás são várias empresas, como SPC Brasil, Boa Vista SCPC, Serasa Experian e o mais recente QUOD, que é administrado pelos maiores bancos. Infelizmente, agora não tem mais jeito. Ou seja, você não pode mais optar em aderir por iniciativa própria. A adesão passou a ser automática e obrigatória para todos os brasileiros. Conheça os riscos e consequências disso aqui neste artigo.

É provável que você também goste:

Super Consignado Bradesco: empréstimo sem consulta ao SPC e Serasa e R$ 1 milhão em prêmios.

C6 Bank, concorrente do Nubank, lança pedido de convite.

Conheça os riscos da Nova Lei do Cadastro Positivo OBRIGATÓRIO

Primeiramente, venderam uma ideia que com a Nova Lei do Cadastro Positivo OBRIGATÓRIO tudo vai melhorar. Será mais fácil fazer compras parceladas, abrir conta em banco, conseguir fazer aquele tão sonhado empréstimo, ou obter um cartão de crédito. Porém, não é tão bom assim como parece. Por que será que os bancos tinham tanto interesse nessa lei ser aprovada?

As lojas que são clientes do SPC ou Serasa, podem decidir com mais segurança, se você tem condições de comprar à prazo ou não. Com isso, os lojistas consultam o seu score de crédito, que é calculado através de algoritmos próprios dos Bureaus, que desconhecemos completamente. Embora que algumas dicas para aumentar o score de crédito já elencamos aqui no site para os nossos leitores.

Agora, através da Lei Complementar 166, que foi sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro neste mês, você pode somente sair do Cadastro Positivo. Ou seja, em julho de 2019, todos os consumidores irão para o Cadastro Positivo de maneira automática. E agora, o que fazer, será que devemos sair do famigerado Cadastro Positivo? Confira alguns aspectos negativos logo a seguir e tire as suas próprias conclusões.

Acesso a informações de toda a população

Imagine as empresas tendo acesso a todas as suas informações financeiras. Ou seja, todas as suas contas, as datas de pagamento, dentre outras informações. Os Bureaus de crédito vivem exclusivamente de bancos de dados, e isso vai ser perfeito, e de graça para essas empresas. Como o negócio dos Bureaus de crédito são os bancos de dados, dos apenas 8 milhões de consumidores que optaram pelo Cadastro Positivo, esse número agora passa para mais de 120 milhões de brasileiros.

Antes da aprovação da lei, os Bureaus de crédito utilizavam duas informações. Eles utilizavam o Cadastro negativo, quando o consumidor não pagava a conta e colocava o devedor no SPC ou Serasa. E também o cadastro positivo, quando você autorizava os Bureaus de crédito a terem conhecimento sobre todas as suas movimentações financeiras. Agora, muito pelo contrário, é preciso solicitar para sair. Saiba como.

Sigilo dos dados

É assustador ter todos os dados à disposição destas empresas. Imagine a possibilidade remota de acontecer um vazamento de informações, como os que ouvimos falar por aí. Pois é, estaremos correndo ainda mais este risco. Você já deve ter ouvido falar que em São Paulo, vendem até declarações de imposto de renda, imagine essas informações nas mãos de criminosos. Será que as informações estarão realmente seguras?

E agora, o que podemos ganhar com o Cadastro Positivo?

Foi feita uma campanha massiva pra que fosse aprovada a Lei Complementar 166, com a maior brevidade possível. Os bancos juram que o spread bancário vai cair, mas isso veremos somente com o passar do tempo. Aliás, será que não nos ofereciam menores taxas de juros justamente pela falta de informações dos consumidores? Ou será que existe um oligopólio dos bancos, que definem o percentual de juros que quiserem? Por fim, para chegar a conclusão se vale ou não a pena continuar no Cadastro Positivo, é uma decisão que cabe somente a você. E você, o que achou do artigo? Tem mais alguma informação a acrescentar? Deixe seu comentário logo abaixo.

Enfim, gostou da notícia?

Então, nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter, Instagram. Assim, acompanhe nossas notícias sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, financiamentos, empréstimos e tudo relacionado ao assunto de fintechs.