O adicional de 25% sobre o benefício de aposentados que necessitam de cuidadores está na pauta do Supremo Tribunal Federal (STF). O Supremo pode estender o pagamento do “auxílio-acompanhante” para todos os aposentados que necessitem da ajuda de terceiros. Atualmente, esse acréscimo é pago apenas para aposentados por invalidez ou com incapacidade permanente.

É provável que você também goste:

Entenda por que o FGTS é o melhor investimento de renda fixa atualmente, rendendo mais que o dobro da conta do Nubank

Valor do auxílio emergencial tem prazo para ficar na conta. Saiba quanto tempo você pode demorar para usar o benefício

Auxílio emergencial poderá ser prorrogado enquanto durar o estado de calamidade pública no Brasil

Aposentados poderão ter direito a adicional de 25% do INSS

Primeiramente, o relator do recurso do INSS na Corte, ministro Luiz Fux, entende que a questão do adicional de 25% do INSS envolve um número elevado de segurados potencialmente alcançados pela decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), portanto deve seguir o rito da repercussão geral. Ou seja, vai valer para todas as ações em andamento.

Dessa forma, caso o STF mantenha a decisão do STJ, terá direito ao auxílio-acompanhante (adicional de 25% do INSS), todos os aposentados que necessitem de assistência permanente de terceiros. A data do julgamento ainda não foi definida.

Discussão começou em março de 2019

A discussão ocorre desde março do ano passado, quando Primeira Turma do STF suspendeu o andamento das ações que reivindicavam o pagamento dos 25%. Na época, os ministros aceitaram os argumentos do governo que, entre outras coisas, que o benefício causaria um rombo de R$ 7,15 bilhões anuais.

Decisão anterior

De acordo com o STJ, o adicional de 25% tem caráter assistencial, pois o fato gerador – a necessidade de assistência permanente de outra pessoa – pode estar presente no momento do requerimento da aposentadoria por invalidez ou ser posterior, e ter ou não relação com a moléstia que deu causa ao benefício originário.

Entretanto, segundo o INSS, a decisão do STJ fere os princípios da isonomia. Segundo a autarquia, o aposentado por invalidez se depara com a incapacidade quando está trabalhando, o que faz com que seus planos e projetos sofram mudança drástica e imprevista, enquanto, nos demais casos, a invalidez ocorre após a aposentadoria.

“Por este motivo é que, em nome da isonomia, para nivelar situações desiguais, o adicional de 25% se restringe ao benefício de aposentadoria por invalidez”, sustenta.

Enfim, gostou da nossa matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Fonte: O DIA

Imagem: Kikinunchi via shutterstock

Sobre o Autor

Eduardo Mendes

Cofundador

Sou um entusiasta da tecnologia, que também aprecia inovação, empreendedorismo, além de Fintechs e as suas facilidades. Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. CoFundador do site Seu Crédito Digital.

Ver todos os artigos