Recentemente, começou a circular no WhatsApp um link que supostamente permite verificar se você tem direito ao auxílio emergencial do coronavírus. Conforme noticiamos aqui no site, o benefício de R$ 600 a R$ 1200, também conhecido como coronavoucher, foi aprovado no Senado e agora depende apenas da aprovação do presidente Jair Bolsonaro. A notícia que circula no WhatsApp promete informar se você tem direito ao benefício e, além disso, acessar o fundo previdenciário. Mas será que isso é verdade? Confira nesse artigo.

É provável que você também goste:

O que fazer para receber o coronavoucher se você não tem CadÚnico?

Vivo está oferecendo empréstimo de até R$ 30 mil na crise do coronavírus.

Lista de profissionais que têm direito ao Auxílio Emergencial de R$ 600.

O que diz a mensagem que promete mostrar se você tem direito ao auxílio emergencial do coronavírus?

Segundo a mensagem, o governo teria disponibilizado um site no qual é possível ver se você tem direito ao auxílio emergencial do coronavírus. Em algumas versões da mensagem, o site é “ae.formulario.com”, enquanto em outras versões o endereço é “convite2020.online”. Também há uma terceira versão da mensagem, que promete acesso ao “fundo previdenciário” no site “compartilhandopremios.club”. Confira, abaixo, as três versões da mensagem.

Primeira versão: “AUXÍLIO EMERGENCIAL Confira se você tem direito ao benefício(AE), solicite o desbloqueio e liberação dos valores online! Acesse: [site]”

Segunda versão: “Descubra se você tem direito a receber o benefício Auxílio Emergencial no valor de R$600 à R$1.200. Caso tenha direito, você poderá receber SEGUNDA-FEIRA dia 30/03/2020. CONSULTE AGORA: [site]”

Terceira versão: “Governo acaba de anunciar que para conter a crise financeira no país, está liberado o saque do fundo previdenciário e valores variam de R$ 450 a R$ 1.023, veja se você tem direito. [site]”

Nas três páginas, o processo a ser feito é o mesmo: primeiramente, você precisa responder a algumas perguntas, informando seus dados pessoais. Em seguida, é solicitado que você compartilhe o link da página com seus amigos para conseguir o benefício.

Confira a seguir a mensagem que aparece em uma dessas páginas:

“AUXÍLIO EMERGENCIAL Para evitar filas nas agências bancárias, o Governo Federal em Parceria com a Caixa Econômica Federal, disponibilizou este sistema eletrônico para CONSULTA, DESBLOQUEIO e LIBERAÇÃO do AUXÍLIO EMERGENCIAL para trabalhadores autônomos e informais, donas de casa e microempreendedores (MEI). DIGITE SEU CEP PARA INICIAR A CONSULTA: Digite o CEP INTEGRADO AO CADÚNICO/PIS/PASEP CEP: BENEFÍCIO BLOQUEADO! 03 PARCELAS DE R$600,00 LIBERAÇÃO PREVISTA PARA: 14/05/2020 SOLICITAR DESBLOQUEIO Para solicitar o desbloqueio da Primeira Parcela de R$ 600,00 do seu Benefício Emergêncial, basta compartilhar esta informação com seus familiares e contatos no Whatsapp! É muito fácil, vamos lá? DESBLOQUEAR.”

Mas essa informação que circula no WhatsApp é verdadeira?

A resposta é NÃO. Infelizmente, essa nada mais é do que uma notícia falsa que se aproveita da necessidade das pessoas que estão ansiosas pelo benefício. A intenção de quem cria esse tipo de corrente de WhatsApp é roubar dados das vítimas, portanto recomendamos a você que ignore essas mensagens.

Antes de mais nada, a equipe do site Boatos.com (famoso por desmascarar notícias falsas) fez uma verificação dos links informados na mensagem. Segundo o levantamento do Boatos.com, os sites são classificados como “de phishing” (ou seja, site que rouba dados) ou “maliciosos”.

Além disso, ainda falta um último passo para que o auxílio emergencial do coronavírus seja liberado: a aprovação do Bolsonaro. Somente após Bolsonaro assinar a lei é que o benefício começará a ser pago.

Por fim, caso você queira saber quem tem direito ao benefício, você pode conferir esses detalhes nesse nosso artigo.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Paymaster, via Shutterstock.