O Cadastro Positivo compulsório foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro em abril de 2019. Estava previsto que entrasse em vigor no dia 9 de julho, mas ainda faltam alguns detalhes para a regulamentação, e que para as instituições financeiras passem a comunicar os Bureaus de crédito. Tudo leva a crer que ele será benéfico com a potencial redução da taxa de juros para os bons pagadores. Entretanto, de acordo com uma especialista, é possível que o novo banco de dados utilize dados de familiares inadimplentes no SPC/Serasa. Confira.

É provável que você também goste:

Em quais bancos de dados seu CPF pode ser negativado além do SPC e Serasa?

Banco do Brasil e Itaú oferecem nova opção de parcelar no cartão de débito.

Bradesco está cancelando cartões em massa?

Novo Cadastro Positivo vai usar dados de familiares inadimplentes no SPC/Serasa

O Leandro Vieira, do Canal Cartões de Crédito Alta Renda, passou a informação extraída de uma reportagem do R7. De acordo com a matéria, o novo Cadastro Positivo vai usar dados de familiares inadimplentes no SPC/Serasa. Assista o vídeo na íntegra que está contido no link.

De acordo com Patricia Lages, que é especialista em finanças pessoais, destaca que serão consultados o crédito de familiares de 1º grau – pais e filhos. Ou seja, se um pai tiver um filho negativado ou vice-versa, pode complicar na hora da concessão de crédito.

Por fim, só nos resta esperar que estas dúvidas sejam de fato esclarecidas, e que o novo Cadastro Positivo seja eficaz na redução da taxa de juros dos consumidores que pagam as suas contas em dia. Tomara que o pior não aconteça, trazendo maiores dificuldades para se obter crédito no mercado.

E você, o que acha disso? Você acredita que o novo Cadastro Positivo vai trazer benefícios aos consumidores? Deixe seu comentário logo abaixo.

Enfim, gostou da notícia?

Então, nos siga em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará artigos sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e tudo relacionado ao assunto de fintechs.