A Caixa Econômica Federal está vendendo 132 imóveis, com até 80% de desconto no estado de São Paulo. São casas, apartamentos, galpões industriais, imóveis comerciais, sobrados e terrenos, na capital e no litoral paulista. Todos os imóveis são oriundos de processos extrajudiciais seguindo a lei 9.514/1997 para recuperação de dívida da Caixa. Saiba mais.

É provável que você também goste:

Caixa Tem bloqueado? Como evitar ir à agência para desbloqueio do App

Empresas poderão contratar até a metade dos funcionários com contrato por hora

Prazo de isenção de Imposto de Renda na venda de imóveis poderá ser prorrogado por vários meses

Caixa faz leilão de 132 imóveis com desconto de até 80%

Entre os imóveis localizados na capital, o destaque é um apartamento de 240m² localizado no bairro de Perdizes, zona oeste de São Paulo, com lance inicial de R$ 1.828.141,24, valor 24% menor do que a avaliação de mercado.

Há ainda outro de 105m², em Higienópolis. O lance inicial é de R$ 365.943,87, cerca de 34% abaixo do valor original. Os descontos dependem de variáveis como qual é a propriedade, a localização, o estado do imóvel, bem como a situação fiscal/documental e de ocupação.

O leilão será online e será realizado no dia 13 de agosto. Os lances estão abertos e os interessados devem acessar o site da leiloeira Sodré Santoro (www.sodresantoro.com.br).

“O pagamento dos imóveis da Caixa tem opções de financiamento, além da utilização do FGTS para arrematar os lotes. É uma oportunidade única para aqueles que sonham com a casa própria”, afirma o leiloeiro Otavio Lauro Sodré Santoro.

Cuidados ao comprar um imóvel

Todavia, apesar dos descontos serem bastante atrativos, antes de comprar um imóvel em um leilão é necessário tomar alguns cuidados. O primeiro deles é optar por imóveis que estejam desocupados, já que muitas vezes a saída do morador da casa arrematada pode ser discutida na Justiça, mesmo o comprador tendo em mãos uma carta de arrematação que permite solicitar a desocupação. Para ir à Justiça, o comprador do imóvel precisará contratar um advogado e precisar de uma dose de paciência, já que a data de desocupação pode demorar muito mais do que o esperado.

Outra dica importante é pesquisar se o imóvel possui dívidas em aberto, como IPTU e taxas que deixaram de ser pagas pelo antigo morador. Os pagamentos desses débitos serão de responsabilidade do comprador. Cabe ressaltar que a compra de um imóvel implica arcar com o pagamento de outras despesas, como a taxa de registro em cartório, o imposto sobre a transmissão de bens imóveis (ITBI).

É fundamental também avaliar a forma de pagamento do imóvel determinada no edital do leilão. Muitos leilões não permitem, por exemplo, a utilização do FGTS no pagamento do imóvel arrematado. Também é necessário pagar ao leiloeiro uma comissão adicional de 5% do valor do lance no ato da arrematação.

Contudo, por muitas vezes é possível obter descontos de até 10% se o pagamento for feito à vista. Em geral, é necessário arcar com um sinal correspondente a 30% do valor do imóvel e o saldo devedor pode ser dividido em diversas parcelas. Alguns leilões permitem o financiamento da dívida, mas é necessário contratar o empréstimo com antecedência.

Por fim, verifique no edital a descrição das condições de venda, o estado de conservação, a forma de pagamento, o preço mínimo, a comissão do leiloeiro, os impostos e o modelo de contrato que será assinado pelas partes.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o Facebook, Twitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Via Exame

Imagem: shutterstock

Sobre o Autor

Eduardo Mendes

Cofundador

Sou um entusiasta da tecnologia, que também aprecia inovação, empreendedorismo, além de Fintechs e as suas facilidades. Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. CoFundador do site Seu Crédito Digital.

Ver todos os artigos