Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

Desempregado? Descubra 4 benefícios disponíveis para você!

Para desempregados: descubra como navegar pelo período após a demissão com nosso guia de benefícios governamentais.

Está desempregado? Perder o emprego pode ser um dos momentos mais desafiadores na vida de um profissional. Além da insegurança, o impacto financeiro surge como uma preocupação imediata, colocando em risco o bem-estar do indivíduo e de sua família.

Felizmente, existem mecanismos de apoio criados pelo governo brasileiro destinados a minimizar os efeitos financeiros causados pela perda de emprego. No decorrer deste artigo, analisaremos as principais formas de suporte, incluindo o seguro-desemprego, FGTS, auxílio-doença e o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Para desempregados: como funciona o seguro-desemprego?

Mulher mostra sua carteira vazia, sem nenhum vintém devido ao desemprego.
Imagem: Ro_ksy / shutterstock.com

O seguro-desemprego serve como uma ponte financeira para o trabalhador demitido sem justa causa. Esse benefício social tem o objetivo de prover suporte financeiro temporário, sendo seu valor determinado pela média salarial dos últimos três meses de trabalho.

No entanto, para ter direito ao seguro-desemprego, é preciso que o trabalhador não tenha outra fonte de renda que sustente ele e sua família, e não esteja recebendo qualquer outro benefício governamental, com exceção de alguns específicos, como auxílio-acidente.

A saber, o período de recebimento varia de 3 a 5 parcelas, dependendo do tempo de trabalho e do número de vezes que houve a solicitação do benefício anteriormente.

Quais as situações para sacar o FGTS?

O FGTS, ou Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, é um direito de todo trabalhador brasileiro. Resultante de depósitos mensais equivalentes a 8% do salário feitos pelo empregador, o FGTS fica disponível para saque em momentos específicos definidos por lei.

Entre as situações válidas para saque, destaca-se a demissão sem justa causa e o período de desemprego prolongado, de pelo menos 3 anos.

Auxílio-doença para desempregados

Também conhecido como Benefício por Incapacidade Temporária, o auxílio-doença é destinado a trabalhadores impedidos temporariamente de exercer suas funções por motivos de saúde. Interessantemente, mesmo os desempregados podem ter direito ao benefício sob certas condições.

Em geral, o auxílio pode ser concedido até 12 meses após a última contribuição, com possibilidade de extensão dependendo do histórico de contribuições do trabalhador ao INSS e da comprovação de desemprego involuntário.

Entenda o BPC-Benefício de Prestação Continuada

Por fim, o BPC representa uma ajuda mensal a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda, funcionando independente de contribuições previdenciárias. Regido por critérios específicos, o benefício assegura um salário mínimo mensal àqueles que comprovarem não ter meios próprios de subsistência.

Assim, para ser elegível, é necessário ter uma renda familiar per capita inferior a 1/4 do salário mínimo e estar inscrito no Cadastro Único. No momento, o valor do BPC é de R$ 1.412, ajustado conforme o mínimo vigente.

Veja também:

Confira como amortizar o financiamento da casa própria e pagar bem mais rápido

Após a demissão, o caminho até a estabilidade financeira e profissional pode parecer longo. Contudo, conhecendo os benefícios disponíveis e os requisitos para acessá-los, os trabalhadores poderão navegar por esse período com um pouco mais de tranquilidade. O apoio do governo, embora temporário, serve como uma rede de segurança fundamental para quem se encontra nessa situação vulnerável.

Imagem: Ro_ksy / shutterstock.com