Governo estuda pagamento escalonado do auxílio emergencial de R$ 500, R$ 400 e R$ 300

0

O auxílio emergencial deverá ser prorrogado pelo governo federal, entretanto ainda não ficou definido o valor nem por quanto tempo o benefício vai ser pago. Lembrando que, atualmente, o benefício vem sendo pago em 3 parcelas de R$ 600. A última parcela é referente ao mês de junho e já começou a ser paga para os beneficiários do Bolsa Família. Para a prorrogação, o governo estuda pagamento escalonado do auxílio emergencial, nos valores de R$ 500, R$ 400 e R$ 300.

É provável que você também goste:

Projeto de Lei defende manutenção do auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro

5 estratégias para profissionais autônomos potencializarem os negócios em tempos de crise

Auxílio emergencial: Ministro anuncia valores das três novas parcelas, mas apaga a postagem

Terceira parcela do auxílio emergencial começa a ser paga neste sábado (27)

Auxílio emergencial pode ter pagamento escalonado de R$ 500, R$ 400 e R$ 300

Se o governo optar por um parcelamento escalonado, seriam 3 parcelas decrescentes, por exemplo, R$ 500 em julho; R$ 400 em agosto e R$ 300 em setembro. A prorrogação do benefício por mais 3 meses com pagamento escalonado seria perfeita para o governo preparar os beneficiários para o fim do pagamento do auxílio emergencial.

Além disso, com a prorrogação do auxílio emergencial, o governo federal terá mais tempo para a criação do programa Renda Brasil, que deverá ser o principal programa social do país, englobando vários outros em um mesmo benefício, cuja previsão de lançamento é para o segundo semestre deste ano.

Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, e para a equipe econômica do governo, só seria possível o pagamento de mais duas parcelas do auxílio emergencial, no valor de apenas R$ 300 reais. O presidente Jair Bolsonaro também já disse que seria impossível de repetir o pagamento dos R$ 600 atuais em 3 parcelas, mas quer estender o programa.

Bolsonaro quer a prorrogação do auxílio mirando as pesquisas

Apesar dos últimos escândalos envolvendo o presidente, como, por exemplo o caso Queiroz, Jair Bolsonaro viu sua popularidade crescer entre os mais pobres durante a pandemia, justamente os beneficiários de programas sociais, como o auxílio emergencial e Bolsa Família. Desta forma, Bolsonaro pretende prorrogar o benefício para manter essa popularidade entre as classes mais baixas. Por outro lado, o presidente perdeu apoio da classe média.

Renda Brasil vem aí

Com a popularidade em alta entre os mais pobres, o governo federal começou a demonstrar maior interesse pelos programas sociais. Assim, deverá ser criado o Renda Brasil, que deverá unificar vários outros programas sociais. A unificação desses programas é tarefa mais difícil e demanda tempo até ser fechado o cadastro dos beneficiários.

O governo tenta obter apoio para que a proposta original não seja modificada no Congresso Nacional, o que já ocorreu com o auxílio emergencial, que havia sido proposto pelo governo em R$ 200, mas o Congresso sugeriu o valor de R$ 500. Por fim, Bolsonaro aumentou o benefício para R$ 600.

Em relação ao Renda Brasil, Bolsonaro quer que o Congresso não altere sua proposta. Para isso, conta agora com o apoio de deputados do chamado Centrão.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o FacebookTwitter Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Brenda Rocha via Shutterstock

Comentários
Carregando...

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar Leia Mais