A partir de novembro, deve começar a funcionar o Pix, novo sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central (BC). Hoje, Roberto Campos Neto, presidente do BC, e João Manoel Pinho de Mello, diretor de Organização do Sistema Financeiro e Resolução do BC, deram mais detalhes sobre o sistema. Se você ficou curioso para saber como o Pix vai funcionar, então leia a nossa matéria.

É provável que você também goste:

Regras da declaração do Imposto de Renda 2020 serão divulgadas HOJE

Será que um Hacker invadiu o sistema do SPC/SERASA e apagou todos os nomes sujos?

Com nova intervenção do Banco Central, dólar cai pelo 2º dia

De acordo com o BC, com o Pix será possível, por exemplo, transferir dinheiro em apenas 10 segundos e pagar ônibus por celular. Com as transferências instantâneas, a transmissão da ordem de pagamento e a disponibilização de fundos ocorrerão em tempo real. Esse serviço funcionará o tempo todo, ou seja, 24 horas por dia, sete dias por semana e em todos os dias do ano, inclusive nos feriados.

Conforme Campos Neto, o Pix tornará as transações mais baratas e facilitará a participação das fintech no sistema financeiro nacional.

Plataforma será aberta e ágil

O Pix reduzirá os custos das transações, afinal as transferências ocorrerão diretamente da conta de quem está pagando para a de quem está recebendo. João Manoel Pinho de Mello garante que as transações ocorrerão em, no máximo, 10 segundos.

Devido ao lançamento do Pix, provavelmente os grandes bancos e empresas de pagamento deverão oferecer essa possibilidade de transação aos clientes.

Hoje já existem transferências de dinheiro que são realizadas em tempo real, como é o caso das e-wallets (carteiras digitais). Entretanto, tais transações ocorrem em sistemas fechados, sem comunicação com sistemas dos concorrentes. Por outro lado, a proposta do Pix é justamente a de ser uma plataforma aberta, disponível a todos os agentes do mercado.

Alguns exemplos de transações que poderão ser feitas pelo Pix são:

  • Transferência de pessoa para pessoa;
  • Pagamento de serviços públicos, como passagens de ônubis e metrô;
  • Pagamento de contas ou recolhimento de taxas e impostas, como, por exemplo, taxas aduaneiras e de passaporte.

Funcionamento do Pix

O pagamento instantâneo poderá ser feito por aproximação, por QR Code, por chave de endereçamento (senha), entre outros. Conforme já dissemos, essa plataforma do BC poderá ser usada por aplicativos de qualquer banco ou fintech em pagamentos ou transferências.

Para usar o Pix em uma transação, primeiramente o cliente deverá clicar no ícono Pix, disponível no aplicativo do banco, fintech ou estabelecimento comercial. Em seguida, a transação poderá ser efetuada dentro do sistema de pagamentos instantâneos. Ao informar o número do celular do beneficiário da transação, todos os dados do destinatário serão carregados, como CPF ou CNPJ e conta bancária ou digital. Após isso, basta preencher o valor a ser pago e clicar para confirmar a transação.

Tal transação também pode ser efetuada via QR Code, que exibirá na tela do celular os dados do beneficiário. Já o custo das transações dependerão do mercado, ficando a cargo dos bancos e instituições financeiras, que poderão torna-las gratuitas, se quiserem.

Enfim, gostou da matéria?

Então, siga o nosso canal do YouTube, e nossas redes sociais como o FacebookTwitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais, empréstimos e matérias relacionadas ao assunto de fintechs.

Imagem: Andrey Suslov, via Shutterstock.