O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta sexta-feira (22) que haverá a quarta parcela do auxílio emergencial, contudo, ela será com valor reduzido. Além disso, ele afirmou que o auxílio pago aos trabalhadores informais e desempregados “talvez” chegue à quinta parcela, mas com valor ainda menor do que o da quarta. As informações foram obtidas em entrevista do presidente à rádio Joven Pan.

É provável que você também goste:

Saiba como transferir o auxílio emergencial para a conta do Nubank

Cuidado: golpe faz clonagem do cartão Bolsa Família para saque do Auxílio Emergencial

Guedes diz que pode prorrogar Auxílio Emergencial, mas com valor muito menor

Presidente conversou sobre quarta parcela do auxílio emergencial com Guedes

Durante a entrevista, Bolsonaro disse que já conversou com o ministro da Economia, Paulo Guedes sobre estender o pagamento do auxílio emergencial. Contudo, apesar disso, os valores ainda não estão definidos:

“Conversei com o Paulo Guedes que nós vamos ter que dar uma amortecida nisso aí. Vai ter a quarta parcela, mas não de R$ 600. Não sei quanto vai ser, R$ 300, R$ 400. E talvez tenha a quinta, talvez seja R$ 200 ou R$ 300. Até para ver se a economia pega”, disse o presidente.

Bolsonaro disse, ainda, que não pode “jogar para o espaço” o valor que já foi investido no pagamento do auxílio aos desempregados, informais e microempreendedores.

“ — Não podemos jogar para o espaço mais de R$ 110 bilhões, que foram gastos dessa forma, isso vai impactar a nossa dívida no Tesouro, e para ver se a economia pega”, afirmou.

Quarta parcela do auxílio emergencial pode seguir projeto inicial do governo

Inicialmente, o governo propôs ao Congresso Nacional pagar R$ 200 aos trabalhadores em razão da crise na economia provocada pela pandemia do novo coronavírus. Mas os parlamentares aumentaram o valor para R$ 600, por três meses. Para o pagamento da quarta parcela do auxílio emergencial, os valores reduzidos podem seguir o projeto inicial do Governo Federal.

Nesta semana, o ministro da Economia, Paulo Guedes, teve reuniões com empresários onde disse estar avaliando reduzir o auxílio emergencial para R$200. Desta forma, teria início o encerramento gradual do benefício, conceito defendido por Guedes.

O pagamento de R$200 tinha como objetivo seguir a média de pagamento do programa Bolsa Família, repassado mensalmente às famílias. Contudo, o Congresso ampliou o valor para R$500 e, em seguida, fechou em R$600 em acordo com Bolsonaro.

Atualmente, governo paga segunda parcela do benefício

Enquanto decide como será feito o processo para estender o benefício e realizar o pagamento da quarta parcela do auxílio emergencial, o governo também segue depositando os valores já definidos. Na última semana, tiveram início os pagamentos da primeira parcela para aqueles que se cadastraram no programa após o dia 30 de abril.

Além disso, a Caixa Econômica Federal também já está realizando os depósitos para o pagamento da segunda parcela do auxílio. O benefício de R$ 600, oferecido pelo governo durante a pandemia, segue um calendário que é divulgado aos poucos pelo governo.

Enfim, gostou da matéria?

Então, nos siga no canal do YouTube, em nossas redes sociais como o Facebook, Twitter e Instagram. Assim acompanhará tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito digitais,  empréstimos e matérias relacionadas ao mundo de fintechs.

Imagem: Brenda Rocha via shutterstock