Seu Crédito Digital
O Seu Crédito Digital é um portal de conteúdo em finanças, com atualizações sobre crédito, cartões de crédito, bancos e fintechs.

FGTS pode ser usado para pagar parcelas atrasadas do financiamento

0

Agora, quem tem um financiamento imobiliário e está com parcelas atrasadas poderá usar o FGTS para pagar até 12 prestações. Até então, o trabalhador não podia ter mais que 3 prestações em atraso, para usar os recursos do FGTS para reduzir o saldo devedor. Abaixo, confira os detalhes.

É provável que você também goste:

FGTS: nascidos no mês de fevereiro já podem fazer o saque extraordinário de R$ 1 mil

Confira a data de liberação do lucro do FGTS de 2022 para os trabalhadores

Saque do FGTS: o que fazer se dinheiro não caiu na conta?

FGTS poderá ser usado para pagar parcelas atrasadas do financiamento

De acordo com a publicação da resolução da quarta-feira (20), no Diário Oficial da União, o novo limite será de até 12 prestações em atraso. A medida é temporária, e vai entrar em vigor no dia 2 de maio, com validade até o dia 31 de dezembro.

Segundo a publicação, a medida ainda deve passar por uma regulamentação. Conforme as regras do FGTS, o uso do saldo para a liquidação ou amortização do saldo devedor de financiamento, pode ser feita a cada 2 anos.

Para Ana Maria Castelo, economista coordenadora de Projetos da Construção da FGV/Ibre, a novidade dá chance à pessoa de renegociar as parcelas atrasadas. Assim, em um momento de crise econômica, será possível reduzir os índices de inadimplência.

 “A medida vem no momento em que há mais um saque extraordinário autorizado do FGTS. Agora, com esta resolução, o governo está abrindo a possiblidade de usar o FGTS dentro do próprio mercado imobiliário em vez de usar para consumo, o que faz mais sentido. Diante da crise econômica e da recuperação muito lenta do mercado de trabalho, e o desemprego ainda alto. A medida vem para conter a inadimplência dentro do setor”, explica Castelo.

Ademais, Castelo disse que a inadimplência no Sistema Financeiro da Habitação está baixa. Isso acontece, porque os bancos estão tentando renegociar e melhorar o prazo de pagamento das parcelas atrasadas.

Por fim, Castelo diz que a alta da inadimplência e do número de retomadas levariam ao aumento do estoque de imóveis dentro dos bancos. Logo isso, poderia levar ao aumento dos custos para as instituições financeiras, bem como poderia diminuir o valor dos imóveis.

Enfim, quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo das finanças?

Então nos siga no canal do YouTube e em nossas redes sociais, como o Facebook, Twitter, Twitch e Instagram. Assim, você vai acompanhar tudo sobre bancos digitais, cartões de crédito, empréstimos, fintechs e matérias relacionadas ao mundo das finanças.

Imagem: Andrey_Popov / Shutterstock.com

Este website usa cookies para melhorar sua experiência. Aceitar

Fechar